O ministro Teori Zavascki, do STF, responsável pela prisão do senador petista e líder do #Governo, Delcídio do Amaral, acatou pedido do Ministério Público e decidiu manter a prisão do banqueiro André Esteves e o do assessor e chefe do gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira. Deste modo, as prisões destes últimos que eram de caráter temporário, foram convertidas em prisões preventivas. Na argumentação do Ministério Público, foram encontrados graves indícios que comprovam o envolvimento de ambos, juntamente com o senador Delcídio do Amaral, preso na semana passada, num esquema cuja finalidade seria obstruir o funcionamento da operação Lava Jato.

Ao contrário das prisões de Delcídio do Amaral, senador e líder do PT e de seu advogado Edson Ribeiro, cujas prisões foram de caráter preventivo, as que foram efetuadas com o banqueiro André Vargas, dono do banco Pactual e do assessor de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira, tiveram apenas caráter temporário.

Publicidade
Publicidade

O relaxamento das mesmas estava previsto para o último dia 29. No entanto, após os depoimentos tomados dos réus e de buscas feitas, principalmente, no gabinete do assessor de Delcídio, Diogo Ferreira, o MP decidiu por requerer a prisão preventiva de ambos, por entender que havia risco de se prejudicar o andamento das investigações.

Os depoimentos tomados do senador Delcídio e do banqueiro André Esteves, comprovam que, dias antes das prisões, os dois realizaram várias reuniões entre ambos. O assunto sempre foi a respeito de Nestor Cerveró. Ambos são acusados de   planejar a fuga do ex-diretor da #Petrobras e que André Esteves seria o financiador de tal operação.

Além disto, as diligências feitas no gabinete do senador petista localizaram cópias dos termos de delação premiada de Fernando Baiano e de Nestor Cerveró, junto à Justiça.

Publicidade

Estes documentos são de caráter estritamente sigiloso. O fato contribui, de maneira indiscutível, para que todos os acusados possam ser denunciados ao Supremo Tribunal Federal, por crimes de obstrução da investigação criminosa. No caso do senador Delcídio, o mesmo poderá ser enquadrado no crime de se aproveitar de sua condição de parlamentar, para conseguir um alvará de soltura para Cerveró, junto aos ministros do STF.  #Corrupção