O decreto da presidente #Dilma Rousseff para contingenciar R$ 10 bilhões do orçamento do governo começa a trazer as primeiras consequências para a sociedade brasileira.

Nesta segunda feira, 30, o poder Judiciário informou, através de publicação no Diário Oficial da União, que o corte de R$ 1,7 bilhões em seu orçamento, impedirá que as eleições municipais, previstas para todo o país em 2016, sejam realizadas por meio eletrônico, como acontece desde 2000, quando todo o eleitorado deixou de votar por cédula de papel.

A portaria foi assinada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Ricardo Lewandowski e pelo presidente do Supremo Tribunal Eleitoral (STE), Dias Toffoli.

Publicidade
Publicidade

Além deles, também assinam a portaria outros órgãos do Judiciário, afetados diretamente pelo contingenciamento. 

O valor que cada tribunal fica impedido de utilizar no orçamento, é o seguinte:

Supremo Tribunal Federal  - R$ 53.220,494,00

Justiça Eleitoral - R$ 428.739.416,00

Superior Tribunal de Justiça - R$ 73.286.271,00

Justiça Federal -  R$ 555.064.139,00

Justiça do Trabalho - R$ 423.393.109,00

Justiça Militar da União - R$ 14.873.546,00

Justiça do DF e Territórios - R$ 63.020.117,00

Conselho Nacional de Justiça - R$ 131.165.703,00

Esse é o terceiro contingenciamento do ano, e esse novo bloqueio de despesas discricionárias, ou seja, não obrigatórias, acontece em meio a um turbilhão pelo qual passa o governo Dilma, que está com dificuldades para aprovar, no Congresso, a revisão da meta fiscal para 2015.

Publicidade

O Planalto faz mais um corte no orçamento, na tentativa de conseguir atingir a meta fiscal de R$ 55,3 bilhões de superávit primário, ou seja, a economia necessária para pagar juros da dívida pública. Porém, conforme o portal G1, mesmo com esse corte, o governo não conseguirá atingir a meta, pois acumula até outubro, um rombo de R$ 33 bilhões, o maior da história da República.

Enquanto isso, a presidente Dilma e sua comitiva chegaram à Paris na tarde de sábado, 28, para participar, nesta segunda, 30, da Cúpula do Clima da ONU e se hospedaram em um dos hotéis mais caros da cidade. O Le Bistrol, que segundo a revista Isto é, tem uma diária na faixa de 17 mil Euros, o equivalente a R$ 65 mil.  #Crise econômica