A sessão da Câmara dos Deputados, na última terça-feira (8), que definiu a chapa pró-impeachment como maioria na Comissão Especial que irá julgar o futuro do Governo Dilma foi uma das mais conturbadas da história da casa. Por 272 votos a 199, a chapa alternativa, com 39 membros titulares, venceu, restando aos líderes dos partidos elegerem outros 26 nomes.

Contudo, dos 39 deputados de oposição que irão fazer parte da Comissão, pelo menos até segunda ordem, já que o Superior Tribunal Federal (STF) irá julgar a validade da votação no próximo dia 16, 13 desses respondem a acusações criminais no STF, segundo informação levantada pelo Congresso em Foco.

Publicidade
Publicidade

Conheça os nomes e as acusações:                                                                                                                      

Nilson Leitão (PSDB-MT): Investigado por incitação ao crime e formação de quadrilha no inquérito 3936. Já no inquérito 3711 é investigado por corrupção passiva. Chegou a ser preso em 2007 quando era prefeito de Sinop (MT) na Operação Navalha da PF

Rossoni (PSDB-PR): O deputado é alvo do STF no inquérito 4156 por crime contra a flora.

Shéridan (PSDB-RR): A deputada é investigada por crimes eleitorais no inquérito 3975.

Paulinho da Força (SD-SP): Réu na ação penal 965 por suposto desvio de verba do BNDES. Investigado por peculato, competência por prerrogativa de função e corrupção passiva nos inquéritos 2905 e 3901.

Alex Mamente (PPS-SP): O deputado é outro que responde por supostos crimes eleitorais.

Publicidade

Inquérito de número 4007.

Pastor Marcos Feliciano (PSC-SP): O inquérito de número 3646 investiga a contratação de pastores de sua igreja para o gabinete do deputado.

Flaviano Melo (PMDB-AC): Responde por peculato e crimes contra o sistema financeiro na Ação Penal 435 da época em que era governador do Estado.

Benito Gama (PTB-BA): Outro deputado que responde por supostos crimes eleitorais - Ação Penal 920.

Delegado Eder Mauro (PSD-PA): O delegado é investigado pelo STF na Ação Penal de número 967 por ameaça.

Jair Bolsonaro (PP-RJ): Responde por apologia ao crime no inquérito 3932 e crime contra a fauna no inquérito 3788.

Jerônimo Goergen (PP-RS): O deputado é um dos investigados pela Operação Lava Jato. Responde ao inquérito 3989 por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha.

Luiz Carlos Heinze (PP-RS): Outro deputado investigado pela Lava Jato. Também responde inquérito 3989 por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha. Além desse, responde ao inquérito 3948 por injúria e difamação.

Danilo Forte (PSB-CE): Mais um deputado que responde por suposto crime eleitoral. Inquérito de número 3317. #Dilma Rousseff #Impeachment #Eduardo Cunha