Conforme a Folha de S.Paulo, o Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia, nesta segunda, 14, contra o empresário pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, e mais dez pessoas, por crimes de gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro, #Corrupção ativa e passiva.

Todos os denunciados são suspeitos de envolvimento nos crimes de corrupção, na Petrobrás, investigados pela Operação Lava Jato. Além de Bumlai, também foram denunciados o filho dele, Maurício de Barros Bumlai e a nora, Cristiane Dodero Bumlai. Do Grupo Schaim, os três executivos, Salim Schahim, Milton Taufic Schahim e Fernando Schahim. Da Petrobrás, os ex-diretores Jorge Zelada e Nestor Cerveró e o ex-gerente Eduardo Musa.

Publicidade
Publicidade

Do Partido dos Trabalhadores (PT), o ex-tesoureiro João Vaccari Neto e o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano.

Segundo o Ministério Público Federal, em 2004, portanto durante o governo Lula, o pecuarista fez um financiamento, junto ao banco Schaim, no valor de R$ 12 milhões, os quais foram repassados para pessoas vinculadas ao PT. De acordo com o MPF, esse dinheiro jamais foi pago. No entanto, em troca do perdão dessa dívida, Bumlai fez um acordo com o grupo Schaim, garantindo que a empresa de engenharia do grupo firmasse contrato com a Petrobrás, no valor de US$ 1,6 bilhão, para operar o navio-sonda, em 2009.

De acordo com a denúncia, Jose Carlos Bumlai se valeu do fato de ter trânsito fácil com Lula para conseguir o contrato, considerado irregular pela Polícia Federal.

O MPF afirma ainda na denúncia que Bumlai simulou o pagamento do empréstimo contraído junto ao banco Schaim, através de um "processo" de compra e venda de embriões firmado entre as fazendas dele e a do grupo.

Publicidade

Os procuradores afirmam na denúncia, que entre outubro de 2006 e dezembro de 2009, os executivos Milton, Fernando e Salim Schaim, além de perdoarem a dívida que a valores corrigidos gira em torno de R$ 49 milhões, ofereceram ao executivo Eduardo Musa, uma propina de US$ 1 milhão a favor do Partido dos Trabalhadores.

Bumlai está preso há cerca de três semanas, em Curitiba, e nega os fatos. Essa é a primeira acusação formal contra o amigo de Lula. Se a denúncia for aceita, o empresário vira réu e deverá responder à Justiça por esses fatos.  #Lava Jato