O #Governo sofreu sua primeira derrota no processo de #Impeachment contra a presidente #Dilma Rousseff nesta terça-feira (08) e atribuiu esta "derrota" à carta de Michel Temer.

Para o Palácio do Planalto o que fez piorar aquele clima de rebelião dentro da Câmara dos Deputados foram as palavra do vice-presidente da república dirigidas a Dilma e para evitar novas derrotas e surpresas indesejáveis, o governo já agendou uma reunião entre Dilma Rousseff e Michel Temer na noite desta quarta-feira (09) para tentar chegar a um acordo com o peemedebista.

Apesar da tentativa de chegarem a um acordo os assessores de ambas as partes garantem que não há mais nada o que fazer e o "divórcio" acontecerá em pouquíssimo tempo, aliás, esta separação já teria acontecido e só falta mesmo um anúncio oficial.

Publicidade
Publicidade

Nos bastidores é quase unânime a opinião de que Michel Temer agravou a crise política já instalada no país e que o rompimento do vice com o PT serviu para que alas do PMDB e até de outros partidos que antes eram aliados de Dilma agora se rebelem contra a presidente.

Algumas horas depois da divulgação da carta enviada por Temer à presidente do Brasil, o Planalto teve sua primeira derrota na Câmara em relação ao processo de impeachment e a chapa vencedora é contrária ao governo atual e por isto a análise do processo de afastamento de Dilma já tem um resultado quase que certo, que é o parecer favorável ao impeachment da presidente.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL SUSPENDE COMISSÃO DO IMPEACHMENT NA CÂMARA

Mas nem tudo está perdido para o governo, pois à noite o STF suspendeu a decisão da Câmara que contou com muita confusão, xingamento e até agressões, além de quebra de equipamentos para se chegar a um resultado.

Publicidade

Michel Temer fez questão de dizer que não está rompendo com o Governo e que a carta foi somente um desabafo que ele deveria já ter feito, mostrando-se indignado pelo vazamento de sua carta que ele garante, era única e exclusivamente para Dilma Rousseff.

Independente da opinião do vice-presidente, o efeito da carta foi devastador para o governo e sem dúvida alguma foi um ótimo combustível para a oposição seguir adiante com o processo de afastamento da presidente da república.