Durante a Conferência do Clima, em Paris, neste final de semana, a Presidente #Dilma Rousseff aproveitou a ocasião para manter encontros secundários, cujo objetivo era tratar de negócios entre alguns países e o Brasil. Num quadro de #Crise econômica, no qual muitos investimentos estrangeiros no país estão diminuindo, a presidente busca reverter o quadro e garantir fundos para melhorar a economia brasileira.

Um dos principais encontros foi com o presidente chinês Xi Jinping. Ele reiterou a parceria com o Brasil quando comentou com Dilma os dois últimos leilões, nos quais a China arrematou duas hidrelétricas, a de Jupiá e de Ilha Solteira, ambas localizadas no estado de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

O encontro dos dois presidentes serviu para reafirmar a parceria entre os dois países. Além disto, durante a conversa, Xi Jinping manifestou um grande interesse em participar de investimentos na infraestrutura brasileira. O presidente reiterou que seu país está apto a participar de processos licitatórios das estradas e ferrovias no território brasileiro.

Nas palavras de Dilma, a atual configuração do comércio mundial passa por transformações. A presidente afirmou que o ciclo de commodities vem sofrendo uma diminuição. A mesma declarou que é a favor de uma comercialização baseada no sistema de manufatura.

O encontro de Dilma serviu ainda, para que fosse discutido, junto aos países da União Europeia, algumas questões que estão dificultando as negociações de comércio entre os participantes do Mercosul e dos países da Europa.

Publicidade

Alguns estão impondo medidas protecionistas, que estão dificultando o comércio bilateral. Dilma defendeu a necessidade de um prazo, para que os ajustes entre estes países seja realizado. Ainda, de acordo com a presidente, existem países agrícolas que impõem certas restrições ao comércio. Participaram destes encontros, alguns representantes dos países europeus, a representante das Relações exteriores, Frederica Mogherini e Miguel Arias, que faz parte da Comissão Europeia de Ação para a Conferência do Clima e Energia.    #Governo