A primeira parte da sessão que escolherá os integrantes que comporão a Comissão do #Impeachment na Câmara dos Deputados ocorreu, nessa terça-feira (8), com muito tumulto e manifestações pró-governo e pró-impeachment. O Presidente da casa, Eduardo Cunha, elaborou manobra que fez por onde a votação acontecesse secretamente, isso motivou um quebra-pau em plena sessão entre deputados. Algumas urnas foram destruídas, mas a votação seguiu em frente em sua primeira parte onde a chapa dos deputados favoráveis ao Impeachment saiu vitoriosa.

Alguns deputados que não concordavam com as decisões do presidente da Câmara, ao decorrer da votação, ficaram em frente a algumas urnas impedindo que outros deputados entrassem no recinto onde se encontravam as urnas para a votação secreta.

Publicidade
Publicidade

Houve empurra-empurra e muito bate-boca do início até o fim da votação. O Presidente Cunha se defendeu alegando que a votação secreta esta de acordo com o Regimento Interno, indo de acordo com o artigo 188, que trata da possibilidade de acontecerem votações secretas.

Por outro lado, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), afirmou que uma segunda chapa para esse tipo de votação é algo ilegal. O próprio PCdoB impetrou duas ações no Superior Tribunal Federal (STF) que tentam romper com a questão da votação secreta na comissão especial feita para analisar o pedido de impeachment contra a presidente #Dilma Rousseff e também é contra a criação de uma segunda chapa elaborada por deputados favoráveis a saída do PT do Governo Federal.

Os deputados que formam a oposição ao governo petista levaram cartazes e um grande boneco do ex-presidente Lula com roupas de presidiários.

Publicidade

Por outro lado, os governistas também levaram cartazes onde se pedia a saída de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara. Os gritos e palavras de ordem aconteceram durante praticamente toda a sessão onde diziam; “Haverá Impeachment”, “Fora Cunha”.

A chapa vencedora no dia de hoje é a favor do Impeachment. É provável que na .sessão de amanha sejam completadas as vagas restantes. #Crise no Brasil