Lucas de Castro Rivas. É bem possível que o grande público nunca tenha sequer ouvido falar desse nome, tampouco conheça sua influência nos trabalhos na Câmara dos Deputados, porém, quem acompanha o dia a dia na Casa Legislativa pode presenciar as andanças e conversas do “assistente técnico”. A cada vez que são divulgadas pela imprensa as “manobras de Cunha”, possivelmente Rivas está envolvido de alguma forma.

Cunha já manobrou diversas vezes no plenário da Câmara, porém, de umas semanas para cá, seu alvo predileto passou a ser o Conselho de Ética. Com seu exército de deputados liderados por Manoel Júnior (PMDB-PB), e nos bastidores o assistente técnico Rivas, a tropa de Cunha já conseguiu adiar por sete vezes a votação do processo contra o presidente da Câmara e até foi capaz de destituir o relator Fausto Pinato (PRB-SP).

Publicidade
Publicidade

Rivas tem papel preponderante nesses adiamentos. O assistente técnico anda pelos corredores da Casa sempre com o regimento interno embaixo do braço, e nos dias de sessão do Conselho adiciona uma cópia do inquérito da Suprema Corte a respeito do processo contra Cunha e as contas na suíça atribuídas a seu nome.

Na semana passada, Rivas conversava ao pé do ouvido constantemente com Manoel Junior e Wellington Roberto (PR-PB), outro fervoroso defensor de #Eduardo Cunha, enquanto transcorria a sessão do Conselho de Ética. Marcelo Nobre, advogado que defende o presidente no processo que pode culminar com sua cassação, também é constantemente visto cochichando com Rivas durante as sessões do Conselho.

Cargo oficial

O servidor público estava alocado na Corregedoria Parlamentar até segunda-feira (7), porém, foi destituído do cargo e realocado na liderança do Solidariedade, partido do deputado Paulinho da Força (SP), “melhor amigo e braço direito” de Cunha na Câmara dos Deputados.

Publicidade

O assistente técnico, em entrevista à Folha de S.Paulo, disse que já trabalha para a liderança do Solidariedade desde outubro. Porém, pelo que foi apurado, ainda consta no Portal da Transparência da Casa como funcionário do órgão legislativo.

Histórico

Lucas Rivas já foi acusado pelo deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), em outubro, de ir ao Centro de Documentação da Câmara dos Deputados buscar documentos contrários a ele em mando de Eduardo Cunha. O assistente técnico negou as acusações. #Congresso Nacional