Alexandre de Souza Rocha aceitou a delação premiada e já começou a fazer revelações surpreendentes, sendo que a maior delas até o momento seria a entrega de R$ 300 mil ao senador #Aécio Neves.

O delator era entregador de dinheiro enviado pelo doleiro Alberto Youssef e teria entregue a grande quantia ao senador de Minas Gerais pelo PSDB no segundo semestre de 2013.

Porém, de acordo com o que foi informado, os R$ 300 mil não foram entregues diretamente a Aécio Neves, o dinheiro teria sido repassado a um dos diretores da UTC Engenharia, no Rio de Janeiro e este teria dito que o montante iria para Aécio.

Conhecido como "Ceará", Alexandre Rocha revelou que foi no ano de 2000 que ficou conhecendo o doleiro Youssef, mas somente a partir de 2008 é que começou a fazer as entregas dos valores aos políticos, sendo que os montantes variavam entre R$ 150 mil e R$ 300 mil e que foram vários os beneficiados.

Publicidade
Publicidade

Ceará contou ainda que pelo menos umas quatro remessas de dinheiro foram entregues a Miranda, diretor da UTC, no Rio de Janeiro e isto foi no ano de 2013.

Em um outro depoimento, Walmir Pinheiro Santana, que é diretor financeiro da empresa, também confirmou que Antônio Carlos D'Agosto Miranda era o nome do diretor comercial da UTC no Rio de Janeiro e que este diretor era quem ficava responsável pela guarda e entrega do dinheiro a pedido do dono da empreiteira, Ricardo Pessoa.

Porém, quando Ricardo Pessoa deu seu depoimento na Lava Jato, em momento algum ele citou o nome de Aécio Neves, por isto quando Ceará citou o nome do senador causou grande espanto a todos.

A assessoria de Aécio Neves já se manifestou a respeito do depoimento e chamou de "absurdo" o nome do senador ser citado na delação de Alexandre de Souza Rocha.

Publicidade

Rocha contou que notou, em um dos repasses, que Miranda estava muito ansioso e perguntou porque ele estava daquele jeito.

O diretor disse então que já não aguentava ser cobrado por uma certa pessoa. Rocha perguntou de quem se tratava e Miranda contou que esta pessoa que lhe cobrava insistentemente era o senador "Aécio Neves". #Lava Jato #Corrupção