O Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quinta (17) o andamento dos ritos do processo de impeachment da presidente #Dilma Rousseff. Nos últimos desdobramentos da Câmara Federal, o presidente da casa Eduardo Cunha seguiu votação para a composição da Comissão que julgará o pedido de afastamento da presidente do Brasil de forma secreta.

STF julga andamento do impeachment

Após a votação conturbada da comissão do impeachment, onde houve parlamentares detidos pela polícia legislativa, o STF votou parecer favorável a Dilma e negativo a Eduardo Cunha. O mandado de segurança foi impetrado logo após a votação na semana passada e o STF decidiu suspender todo o rito de impeachment, ou como os militantes governistas chamam, o 'golpe na democracia'.

Publicidade
Publicidade

Pedido de impeachment perde força

A votação do STF muda os cursos do cenário atual político. Eduardo Cunha perde cada vez mais força por tentar através de manobras acelerar o processo de cassação da presidente do Brasil. Entenda como funcionará o processo do pedido de impeachment da Presidente do Brasil Dilma Rousseff.

O que ficou decido pelo STF é que haverá nova votação para a comissão que analisará o pedido de impeachment autorizado por Eduardo Cunha e protocolado pelo jurista e ex-petista Hélio Bicudo. A votação manobrada por Eduardo Cunha caiu porque os ministros decidiram por seis votos a cinco que a votação não pode ser secreta.

O impeachment também perde força ao STF negar a formação de uma segunda chapa para votação. Na semana passada, nos últimos instantes antes da votação uma chapa foi formada, contrariamente a todo o acordo político já estabelecido antes da votação. 

Segundo o Supremo, a presidente Dilma Rousseff não poderá se defender previamente por uma votação unânime.

Publicidade

Outro fator que leva cria possibilidades do arquivamento do pedido de impeachment é a autonomia do Senado sobre o processo. A casa pode decidir por arquivar ou não o processo contra Dilma Rousseff. Nessa votação o placar foi de sete votos a favor contra quatro contra.

A Câmara Federal também pode decidir pelo arquivamento do pedido de impeachment da Presidente. O STF determinou essas medidas para que a votação tenha andamento. Jandira Feghali, do Partido Comunista do Brasil (PC do B), comemora a votação do Supremo em sua rede social. A deputada federal foi uma das responsáveis pelo mandado de segurança protocolado na semana passada contra a votação da comissão do impeachment.

Dilma ganha apoio nas ruas

Além da deputada, vale destacar a presença massiva e muito maior nas ruas da sociedade que apoia o #Governo nesta quinta-feira. Durante várias capitais e cidades no Brasil, diversos manifestantes saíram as ruas em apoio ao governo de Dilma Rousseff.  #PT