A difícil vida econômica do brasileiro, sobretudo neste ano, pode ficar ainda pior. Além da inflação, o aumento de R$83 que com altos preços pode não fazer tanta diferença para muita gente, pode ser vetado pela presidente. O Congresso Nacional aprovou o novo salário de R$871 no começo do mês, mas até o momento, o #Governo não se manifestou à respeito e precisa dar uma resposta até quinta-feira, 31, podendo vetar o valor ou aprová-lo.

Bases governistas acreditam que elevar R$83 nos pagamentos de pouco mais de cinquenta e um milhões de brasileiros pode trazer prejuízos para os cofres públicos. Já a oposição, maioria na aprovação no novo valor, discorda dessa posição e afirma que é possível elevar o salário do brasileiro como de costume sem que isso cause um impacto significativo na economia brasileira.

Publicidade
Publicidade

A presidente pode vetar ou assinar um decreto validando o novo salário já para sexta-feira, 1. A pressão da oposição, bem como o atual cenário político do governo; que tem perdido aliados; está com um relacionamento delicado com o vice presidente e ainda existe um processo de impeachment contra #Dilma Rousseff; podem fazer com que a presidente autorize o aumento do salário minimo a fim de evitar novos problemas políticos e populares.

Dos cinquenta e um milhões de brasileiros que vivem de um salário minimo, vinte e três milhões são aposentados, pensionistas ou beneficiário do LOAS. O PIS/Pasep também será reajustado para o novo salário de R$871, caso a presidente realmente decrete o aumento.

Recessão

O Brasil levará a recessão para 2016 e as pressões para o impeachment de Dilma aumentaram.

Publicidade

Com a economia em risco, pequenos empresários correm o risco de fechar suas empresas e multinacionais têm deixado de investir no país. O ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, disse que em razão da má administração política do governo, se Dilma sofrer o impeachment, a tendência é que a economia melhore, pois investidores se sentirão mais seguros, entretanto, se Dilma permanecer no poder pelos próximos três anos.  #Crise econômica