O processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff sofreu um duro golpe neste sábado, 12. Isso porque um dos jornais mais respeitados do país, 'O Globo', publicou um editorial pedindo o afastamento do deputado federal #Eduardo Cunha (PMDB - RJ) da presidência da câmara. O jornal liderado por João Roberto Marinho diz que Cunha já ultrapassou todos os limites ao tentar manipular o poder de seu cargo. 'O Globo' coloca que o deputado está tentando de todas as maneiras atrapalhar as investigações contra ele mesmo, mantendo-se assim no cargo. O editorial do jornal aparece um dia depois que #Dilma Rousseff pediu ao Supremo Tribunal Federal, STF para anular a decisão de Eduardo em aceitar o pedido de "impedimento" e também do presidente do Senado, Renan Calheiros, sinalizar que pode arquivar o pedido. 

Para a mídia especializada, o editorial acaba pressionando a aceleração das decisões da procuradoria-geral da República e também do STF, que avaliam o afastamento de Cunha do chefiamento da Câmara.

Publicidade
Publicidade

"Seu tempo acabou", diz um trecho do editorial de 'O Globo'. Caso o deputado seja afastado de seu cargo na Câmara, Dilma Rousseff poderá respirar um pouco mais aliviada, já que Eduardo tinha um grande estímulo para concluir as etapas de investigação do impedimento da líder petista. Com o apoio da opinião pública, Dilma poderia passar a ganhar apoio popular, o que até agora tem sido uma das maiores dificuldades dela em seus quase 5 anos de governo. 

Ainda do editorial, 'O Globo' lembra que a Câmara foi fundada ainda na época de D.Pedro e que ao longo do tempo teve nomes dignos do cargo. Dentre eles, a publicação cita os de Ulysses, Flores da Cunha e Pedro Aleixo. Mas que nos últimos anos, a posição tem sido motivo de "bizarrice", como o episódio quando Severino Cavalcanti foi cassado por ter recebido propina de uma franquia de restaurantes da Câmara.

Publicidade

Apesar de defender a saída de Cunha, o jornal lembra que o 'Mensalinho' e o 'Mensalão' só aconteceram porque o PT de alguma forma foi conivente.  #Impeachment