Nesta semana, o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, foi bastante enfático ao classificar o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de 'delinquente'. O fato ocorreu por ocasião do pedido do Procurador pelo afastamento de Cunha da direção da própria Câmara. De acordo com Janot, a conduta inaceitável de Cunha, nos bastidores do poder, levam a crer que o mesmo tem usado, sistematicamente, de todas as prerrogativas que o cargo oferece para impor as suas vontades, além de humilhar e perseguir os seus opositores.

Cunha é acusado de usar a sua influência para enriquecer ilicitamente, além de manobrar os seus pares, a fim de que o mesmo possa escapar ileso de qualquer acusação e investigação que possa vir a ser lhe imputado.

Publicidade
Publicidade

Cunha tenta atrapalhar o trabalho da Procuradoria Geral da República

De acordo com Rodrigo Janot, Cunha tem usado de manobras tidas como espúrias, para barrar as investigações contra ele e promovidas pela PGR. As denúncias envolvem Cunha no escândalo do esquema de pagamento de propinas pela Petrobras. O Procurador entrou com pedido de afastamento do deputado junto ao STF. Entretanto, este pedido só será analisado em fevereiro, quando o Supremo retornar do recesso.

Eduardo Cunha se utiliza da Câmara para arrecadar propina com lobista

O escândalo da Petrobras, no qual o presidente da Câmara é suspeito de receber propina em torno de 5 milhões de dólares, por conta dos contratos de construção dos navios sonda, demonstra a clara intenção de Cunha em se utilizar das instituições para satisfazer seus interesses pessoais.

Publicidade

De acordo com Janot, o presidente se aproveitou da Comissão de Controle e Fiscalização da própria Câmara, para pressionar o lobista Júlio Camargo a pagar a quantia acima. Para isto, Cunha usou até uma parlamentar, a deputada Solange Almeida, do seu próprio partido, o PMDB e outros parlamentares, com a utilização de pareceres, contrários ao grupo, defendido pelo lobista.

Cunha age para encobrir outros delinquentes, assim como ele

Rodrigo Janot declara que #Eduardo Cunha age para encobrir as condutas ilícitas dele próprio e de seus comparsas dentro do #Governo, todos denominados de delinquentes, de acordo com o Procurador.

Cunha transformou o Câmara dos Deputados em um balcão de negócios

As atitudes do presidente da Câmara, que age no sentido de usar todo o seu poder para favorecer pequenos grupos, levam Rodrigo Janot a afirmar que o deputado transformou a  Câmara em um grande balcão de negócios. Além disto, na palavras de Janot, Eduardo Cunha transformou o próprio cargo em 'mercancia'.

Publicidade

O episódio da Petrobras, ainda sob investigação, aliado ao fato que o presidente age para favorecer certos grupos e a ele mesmo, definem a conduta de Cunha, além de delinquente, como longa manus. Ou seja, na definição de Janot, o deputado trabalha na elaboração de leis que favoreçam somente a um determinado grupo de empresários, em detrimento do bem público. 

O documento elaborado por Rodrigo Janot e encaminhado ao STF, possui cerca de 190 páginas e em onze itens relata as condutas imorais e inaceitáveis do deputado e presidente da Câmara. São relatos com cobrança  de propinas, feita por Cunha a empresários como Léo Pinheiro da OAS e acertos de inclusão de emendas legais, de interesse particular do empresário Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez. As conversas foram obtidas do celular de parlamentar, apreendido pela Polícia Federal, na busca em sua casa. #Corrupção