O nome do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), ganhou grande espaço na mídia após o suposto vazamento de uma carta que enviou à presidente Dilma Rousseff (PT), abordando vários pontos que o deixaram insatisfeito nesse período. Por um momento, a idéia de #Impeachment ganhou força e Temer, de certa forma, mesmo que um tanto discreto, começava a se preparar para assumir a presidência. O impeachment não aconteceu, mas as discussões devem voltar à tona depois de fevereiro e o vice-presidente se prepara para marcar presença na mídia de forma mais constante.

#Michel Temer iniciará uma série de viagens pelo Brasil a partir de janeiro.

Publicidade
Publicidade

A agenda, que será intensa, tem como objetivo unificar o PMDB, que hoje se encontra dividido em relação ao governo. Ao mesmo tempo em que acalma os ânimos de seus partidários, Temer estará em evidência na imprensa e no meio político, tornando-se mais conhecido do público, pois seu nome começou a ser propagado intensamente somente de alguns meses para cá com o agravamento da crise política. O peemedebista precisará de mais espaço nos noticiários para fortalecer a imagem de presidente, caso isso aconteça em 2016. Graças às suas viagens e participações em eventos ocasionais ganhará mídia espontânea.

Segundo avaliação interna, Temer precisa sair do seu relativo anonimato para poder ganhar visibilidade como uma alternativa de poder à presidência, caso ocorra o processo de impeachment.

Atuação jurídica

Michel Temer é conhecido e respeitado como um dos maiores juristas do país.

Publicidade

Bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, o vice presidente também é Doutor em direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, escreveu alguns livros na área como “Constituição e Política, Territórios Federais nas Constituições Brasileiras” e o mais conhecido, “Seus Direitos na Constituinte e Elementos do Direito Constitucional”, que já está na 20ª edição, atingindo a marca de 200 mil exemplares vendidos.

  #Dilma Rousseff