Está ficando tenso o clima em Brasília e ter boas parcerias agora é fundamental para conseguir ou não, levar o #Impeachment de Dilma adiante. Neste jogo, o vice-presidente do Brasil acabou se tornando uma peça chave e vem sendo disputado por quem é contra ou a favor do processo de afastamento da presidente e aos poucos, Michel Temer vai mostrando de que lado realmente está.

Durante uma conversa com amigos neste último domingo (06), Temer chegou a dizer a seguinte frase: "Ela nunca confiou em mim." Ele disse isto se referindo às declarações recentes de Dilma de que estaria esperando "integral confiança" de Temer durante este processo de impeachment para tirá-la da presidência.

Publicidade
Publicidade

Assim que Eduardo Cunha, presidente da Câmara, aceitou o pedido de impeachment contra Dilma, Michel Temer sumiu de cena e tem evitado dar qualquer tipo de declaração em público a respeito do assunto, seja a favor ou contra. Isto tem gerado um certo mal estar e o Governo já vem reclamando desta falta de apoio.

Dilma esteve neste último sábado (05) em Pernambuco e foi clara ao dizer que espera total confiança de Michel Temer e que tem certeza absoluta que poderá contar com o apoio do vice-presidente. A presidente diz conhecê-lo como pessoa e também como política e que não há dúvidas quanto ao seu tão importante apoio nesta hora.

Claro que a declaração foi vista como uma cobrança pública, para que o peemedebista se posicione logo, pois tudo que Dilma não tem agora é tempo para ficar esperando. Há poucos dias, alguns ministros do PT chegaram a constranger Michel Temer e isto pode pesar muito em sua decisão final.

Publicidade

A acusação contra o vice-presidente é de que ele tem certeza que o impeachment é insustentável, porém, estaria interessado no lugar de Dilma e poderá não ficar do lado dela na esperança de que realmente seja afastada do cargo e assim ele assumiria a presidência do Brasil.

Temer não diz que “sim” nem que “não” e continua aguardando, mais para desespero de Dilma do que daqueles que são a favor do impeachment, já que o silêncio do vice-presidente soa mais como um apoio para a retirada da presidente do seu cargo. #Dilma Rousseff #Eduardo Cunha