O Movimento #VemPraRua, formado principalmente por jovens de direita contra o governo da presidente #Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT), teve a sua página no Facebook retirada do ar.

A partir das 13h (horário de Brasília) a página foi apagada do Facebook, e só foi voltar às 15h50. Assim que a página voltou, os organizadores do movimento "Vem pra Rua" publicaram uma nota em que chamavam o episódio de censura, já que está sendo organizado pelo movimento um ato de apoio ao processo de impeachment contra a Presidente da República Dilma Rousseff para este domingo, 13 de dezembro. O processo de abertura de impeachment contra Dilma foi autorizado pelo Presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha.

Publicidade
Publicidade

Julio Lins, identificado como porta-voz do Vem Pra Rua, gravou um vídeo em que, claramente nervoso, acusa pessoas contrárias ao movimento de tentarem calar quem pensa diferente: "Um absurdo, por quatro horas a página nacional do Vem Pra Rua ficou fora do ar devido a denúncias infundáveis (sic) de que nós tínhamos conteúdo impróprio em nosso site. Impróprias são as atitudes do PT, imprópria é essa tentativa de censurar as pessoas que pensam de forma contrária, tentam nos calar, tentam nos intimidar, mas a despeito dessas tentativas, não vão conseguir."

Assista ao vídeo:

Nos comentários da publicação, vários simpatizantes do movimento Vem Pra Rua postaram frases de apoio aos jovens, e se mostraram engajados em tirar a Presidente Dilma do poder e "derrubar o PT", como escreveu Rosane Garcia, uma das comentaristas.

Publicidade

"Facebook controlado pelos 'petralhas' a custo de muito dinheiro público", acusou Robson França, outro simpatizante da página.

"Essa cambada de marginais vão fazer de tudo para nos intimidar, só que a cada intimidação desses imbecis ficamos mais fortes", bradou Carlos Garret.

Os petistas, acusados pelo movimento Vem Pra Rua de tentar derrubar a fan page do movimento, alegam que os protestantes contra o governo de Dilma é que não estão respeitando quem pensa diferente ao tentar "tirar a força e sem motivo uma presidente eleita democraticamente por maioria da população brasileira".

O Facebook Inc. informou que a página foi removida por uma falha técnica, e que, apesar de ter sido acusado de censura, trabalhou para o restabelecimento do espaço tão logo foi percebido o equívoco. #Protestos no Brasil