A presidente Dilma Rousseff deu posse hoje, dia 21, em Brasília, ao seus dois novos ministros: Nelson Barbosa, no Ministério da Fazenda e Valdir Simão, no Planejamento. Na cerimônia realizada no Palácio do Planalto, Dilma elogiou o trabalho desenvolvido por Levy, quando esteve à frente da Fazenda e aproveitou para fazer cobranças diretas ao dois novos ministros, que praticamente irão trabalhar juntos em áreas tão afins.

A presidente solicitou o desempenho dos mesmos para que saibam desenvolver condições adequadas para um crescimento econômico do país, entretanto, sem distanciamento do equilíbrio fiscal, tão amplamente trabalhado pelo antecessor Joaquim Levy.

Publicidade
Publicidade

O elogio e as críticas veladas ao trabalho de Joaquim Levy

Durante a cerimônia de posse, Dilma teceu muitos elogios ao trabalho desenvolvido por Joaquim Levy, frente ao ministério da Fazenda. A presidente destacou o trabalho do economista como fundamental para manter a estabilidade, diante de um cenário de crise inicial e a sua incomum capacidade de conservar o equilíbrio em um ambiente de trabalho de intensa pressão.

No entanto, apesar de não manifestar, Dilma sempre juntou-se aos demais líderes governistas e políticos do #PT, na crítica quanto ao método de trabalho do economista frente à pasta. As críticas de seus partidários foram frequentes quanto ao fato de Levy não apresentar proposta alguma de crescimento econômico e que pudesse ter sido colocado em prática, logo no início de sua permanência no cargo.

Publicidade

O seu estilo ortodoxo de condução econômica trouxe certas divergências, até mesmo com o seu sucessor, quando este ainda ocupava a pasta do Planejamento.

O perfil do novo ministro

Embora não faça parte de nenhum partido, o novo ministro Nelson Barbosa cultiva já uma certa intimidade com o #Governo petista. Nas palavras de Dilma, tanto Barbosa, quanto o seu sucessor do Planejamento, já são profundos conhecedores da administração pública e já participaram da criação e execução dos mais importantes programas do governo. No entendimento da presidente, ambos estão preparados para continuar a política do reajuste fiscal e para a retomada do crescimento econômico.

A cobrança da presidente ao novo ministro

Apesar do clima mais amistoso, na posse dos novos componentes do primeiro escalão do governo, Dilma não poupou os recém-chegados. Ela cobrou medidas urgentes para recuperação da economia brasileira. O equilíbrio fiscal sempre vai ser a tônica de seu governo, no entanto, para se promover o crescimento econômico, precisa-se avançar em medidas que vão mais além do que cortar gastos. 

A presidente lembrou que o país depende da aprovação de medidas tidas como urgentes, para que possa avançar no crescimento.

Publicidade

São elas, por exemplo, a não vinculação das receita da União e a volta da CPMF. Estas são propostas importantes ao incremento do crescimento econômico, pois levam ao aumento da arrecadação do governo.

Dilma delegou aos novos ministros a incumbência de eleger prioridades para o país. Ela espera que eles possam colocá-las em prática e assim levar o Brasil a recuperar a confiança interna e externa, para atrair novos investimentos e assim novos postos de trabalho. 

  #Reforma política