Delcídio foi acusado de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e por isto foi preso. Na tarde desta terça-feira (01), partidos de oposição apresentaram ao Conselho de Ética o pedido para a cassação do senador.

PPS e Rede entraram com a representação contra Delcídio do Amaral junto ao Conselho de Ética do Senado para que o mandato do petista seja cassado. Delcídio está preso desde a última quarta-feira (25) para que não atrapalhe as investigações da Lava Jato, pois um áudio gravado pelo filho de Cerveró mostrou que o senador vinha atuando para levar o ex-diretor da Petrobras para fora do Brasil.

A intenção de Delcídio era que Nestor Cerveró não fechasse o acordo de delação premiada com o MPF.

Publicidade
Publicidade

Bernardo Cerveró, filho do ex-dirigente da Petrobras, revelou ter recebido uma oferta de R$ 50 mil mensais.

A representação para a cassação de Delcídio do Amaral foi entregue pelo senador da Rede-AP, Randolfe Rodrigues, e alguns parlamentares. Em seguida o PSDB entregou uma carta apoiando a representação entregue pelos partidos.

João Alberto Souza, presidente do Conselho de Ética, tem um prazo de 5 dias para analisar a representação entregue e dar o seu parecer. João Alberto pode arquivar a representação caso conclua que nela não há dados suficientes para comprovar a denúncia.

E se a representação não for arquivada, terá um prazo de 10 dias para que Delcídio possa se defender. Feito isto, o relator terá 5 dias para apresentar um relatório dizendo se o petista deverá ou não ter um processo aberto contra ele.

Publicidade

Importante ressaltar que, caso o presidente do Conselho de Ética escolha por arquivar o processo, os senadores têm o direito de recorrer contra tal arquivamento, só que precisarão do apoio de pelo menos 5 membros do Conselho.

Delcídio também é acusado de ter oferecido condições para que Cerveró fugisse do Brasil através de um jatinho, indo para o Paraguai e de lá para a Espanha. O filho de Cerveró também gravou uma reunião em que o plano foi debatido juntamente com o advogado Edson Ribeiro. #Corrupção #Crise no Brasil #Congresso Nacional