#Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, soltou o verbo em entrevista coletiva concedida horas depois da Polícia Federal realizar uma operação de busca e apreensão em sua residência oficial em Brasília e no seu escritório no Rio de Janeiro – em ação que faz parte de um novo desmembramento da Operação Lava Jato.

Segundo ele, “todo o dia” existem fotografias e divulgações de atos corruptos por parte do Partido dos Trabalhadores (PT), e que, de uma hora para a outra, toda a investigação rumou para cima dele e do PMDB.

“Eu acho muito estranho. É estranho que no dia que vai ter a votação na Comissão de Ética e na véspera da decisão sobre o processo de #Impeachment, decidam por deflagrar essa operação.

Publicidade
Publicidade

Vale lembrar que essa denúncia foi feita cerca de quatro meses atrás”, frisou Cunha.

“Foram feitos 53 pedidos de busca e apreensão. Três endereços meus constavam nessa lista. As minhas residências em Brasília e no Rio de Janeiro, e meu escritório no Rio de Janeiro. Isso faz parte do processo de investigação, não há nada de mais”, disse.

Nesta terça, os deputados votaram de forma favorável à continuação da investigação de Eduardo Cunha na Comissão de Ética da Câmara. O peemedebista é acusado de manter contas secretas na Suíça e de ter mentido para a CPI da Petrobras, no início do ano. #PT