Em pesquisa realizada pelo Ibope na primeira semana de dezembro e divulgada hoje pelo instituto, a rejeição ao governo de #Dilma Rousseff cresceu após ligeira alta na última pesquisa realizada em setembro. Este é o primeiro levantamento realizado após a abertura do processo de impeachment contra a presidente.

Após ouvir 2002 pessoas em 143 cidades brasileiras, o Instituto Ibope trouxe números não muito favoráveis à presidente Dilma Rousseff e poderá aumentar a crise política instalada por causa do momento político que o governo atravessa, tendo que conviver com o pedido de impeachment aberto pelo deputado federal e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha do PMDB do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

O percentual de eleitores pesquisados que classificaram o governo atual como bom ou ótimo caiu dos 10% alcançados na última pesquisa realizada em setembro para 9%, resultado negativo que refletiu também no aumento de um ponto percentual de eleitores que classificaram o governo como ruim ou péssimo, passando dos 69% da pesquisa anterior para 70% na divulgada hoje.

Quando a questão é a comparação dos dois mandatos da presidente Dilma, os números são ainda mais distantes e somente 2% dos entrevistados classificam o segundo mandato melhor do que o primeiro, contra 81% que classificam a atual gestão como pior.

O Ibope também perguntou aos entrevistados quais as notícias mais lembradas quando se fala do atual governo e entre as mais citadas estão o pedido de impeachment da presidente Dilma, a Operação Lava Jato, que investiga os desvios na Petrobras, a corrupção dentro do governo e as manifestações contra a corrupção.

Publicidade

Ao se classificar o governo por área de atuação, os eleitores demonstraram preocupação principalmente com as taxas de juros e os impostos, impondo índices de 7% de aprovação em ambas.

Vale lembrar que a pesquisa, que teve os dados coletados entre os dias 4 e 7 de dezembro, tem margem de erro de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo e nível de confiança de 95%, segundo a Confederação Nacional das Indústrias, entidade que encomendou a pesquisa. #Crise econômica #Crise no Brasil