A edição da revista The Economist, publicada em todo o Reino Unido, nesta quarta(30), traz em sua capa a foto da presidente #Dilma Rousseff e o título  " A queda do Brasil".  A primeira edição do ano de 2016, além da capa, traz uma reportagem que tece severas críticas à presidente, incluindo o seu partido, o #PT. Segundo a reportagem, o país tem atravessado uma série de crises neste ano, com o seu rebaixamento econômico internacional, além de sua fraca política econômica na tentativa de um ajuste fiscal. Ela cita a grave crise institucional do país, com a explosão dos escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras. Além disto, faz previsões sombrias a respeito do ano de 2016, que segundo a reportagem será mais desastroso ainda para o Brasil.

Publicidade
Publicidade

Os culpados pela crise brasileira

A reportagem sobre a crise brasileira não poupa críticas severas à presidente Dilma Rousseff e ao PT. Segundo mesma, a política econômica implantada pela presidente, assim como o seu partido, o PT são os responsáveis diretos pela #Crise econômica e pelo seu aprofundamento ao longo de 2015. A mesma refere-se ao episódio da queda dos preços das commodities, no mercado internacional.

Os escândalos de corrupção não foram esquecidos

A revista cita, com bastante ênfase, os escândalos de corrupção na Petrobras,a quem ela classifica de um fato de uso gigante de propinas.

O aspecto econômico da crise brasileira

As críticas aos problemas econômicos foram iniciados com o episódio do rebaixamento do Brasil por duas agências econômicas internacionais.

Publicidade

A revista associa isto ao risco de impeachment. Com relação à saída do ministro Joaquim Levy do governo, ela deixa transparecer um certo otimismo, pois considera o atual, Nelson Barbosa, uma pessoa com mais poder de negociação e de  mais capacidade de manobrar a favor do governo.

A revista critica ainda os gastos excessivos com a previdência no país, onde cerca de 12% do PIB brasileiro é gasto com despesas com aposentados. De acordo com  mesma, o  Brasil tem gastos excessivos com as aposentadorias e adota uma postura equivocada em reduzir impostos de empresas que não dão lucro. Quanto às perspectivas de crescimento econômico, a reportagem mostra seu ceticismo e compara que países como a Rússia , um país cheio de restrições e dependência, tem mais probabilidade de êxito que o Brasil.

As reformas são necessárias para o país

 As reformas são reconhecidas pela reportagem como necessárias e urgentes.  Entretanto, ela lança dúvida sobre a competência de Dilma em conseguir realizá-las. As mudanças possuem um caráter de necessidade e urgência, pois o Brasil está sob a ameaça de retrocesso e de volta aos tempos de inflação galopante. Além de tudo, pelo pouco que o governo petista tem feito para tirar milhares de brasileiros da pobreza, ele poderá colocar tudo a perder, caso não haja disposição para implantar novos rumos para a política e a economia.