Em meio à tão falada crise econômica que o Brasil está vivendo, um setor da sociedade parece não ter a vida muito abalada com os cortes nos gastos. Os políticos brasileiros continuam sendo um fardo aos cofres públicos, tendo em 2015 atingido marcar consideráveis. O blog Dentro da Política já fez o levantamento que a Câmara Federal custou ao dinheiro público mais de R$ 1 bi no ano passado. Dessa vez, os números que iremos apresentar são do Senado Federal. Os valores foram publicados pelo colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim.

Os senadores federais têm direito a um benefício chamado de verba de gabinete; ou seja, é com esse valor que o parlamentar deveria fazer com que seu mandato funcionasse bem, com suporte de seus empregados.

Publicidade
Publicidade

São gastos com passagens aéreas de Brasília para a capital do Estado do senador, aluguel de um escritório no Estado de origem, refeições, segurança, entre outros custos. Os valores são diferentes de deputado para deputado justamente pelas distâncias e custo de vida distintos entre os estados

Saiba quem foram os 5 deputados mais caros em 2015

Vanessa Grazziotin (PC do B-AM): R$ 505.481,00

João Capiberibe (PSB-AP): 482.008,00

Telmário Mota (PDT-RR): 437.207,00

José Pimentel (PT-CE): 436.854,00

Sérgio Petecão (PSC-AC): 429.861,00

Medalha de Honra ao Mérito

Os 81 senadores juntos gastaram um total de R$22,8 milhões no ano passado com verba de gabinete, porém é preciso destacar que nem só de parlamentares mão aberta com o dinheiro público vive o Senado Federal.

O senador José Antônio Reguffe (PDT-DF), como já havia feito quando era um dos integrantes da Câmara dos Deputados, preferiu não gastar nenhum centavo desse benefício oferecido aos senadores em 2015.

Publicidade

Entre os integrantes da Casa Legislativa que optaram por utilizar a cota a que tem direito, o senadores Cristovam Buarque (PDT-DF) foi o mais barato aos cofres públicos. O parlamentar utilizou apenas R$ 11.400 mil durante o ano passado. O valor é menor do que o de três suplentes que estiveram no Senado apenas por três meses. #Congresso Nacional