O jornalista e apresentador de rádio e televisão José Luiz Datena anunciou no fim da manhã desta segunda-feira, 18, que não é mais pré-candidato a prefeito de São Paulo pelo Partido Progressista, o PP. O comunicador era uma das maiores surpresas das #Eleições de 2016 e sua desistência nessa manhã foi uma surpresa. Não se sabe agora se Datena vai só sair do PP ou se ele pretende se candidatar por um outro partido. Tal informação não ficou clara durante o programa do jornalista na rádio Bradesco Esportes FM.

Jornalista não quer ser mais prefeito

No entanto, segundo informações do UOL, Datena vai mesmo desistir de se candidatar às eleições deste ano.

Publicidade
Publicidade

No passado, o profissional da mídia tinha tido que jamais se envolveria na carreira política. Ele havia se filiado ao Partido Progressista no final do ano passado. 

De acordo com o jornalista, o que lhe motivou a sair da legenda foi uma denúncia que o PP estaria envolvido no esquema de corrupção da Petrobras. Segundo informações divulgadas neste domingo, 17, o Partido pode ter ajudado a desviar mais de R$ 300 milhões. 

Segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao todo foram desviados R$ 357,9 milhões da maior estatal brasileira entre os anos de 2006 e 2014. O desvio foi efetuado em 161 atos considerados corruptos, divididos em 34 contratos e mais 123 aditivos. Além disso, a polícia federal também investiga quatro contratos chamados de transações extrajudiciais. O esquema teria sido sustentado justamente pelo ex partido de Datena na Petrobras.

Publicidade

Para auxiliar o PP, estariam nomes como o do doleiro Alberto Yousseff e o do ex-diretor de abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa. 

Desânimo por possível briga com político casca grossa

O que também teria desanimado o jornalista era a possibilidade dele concorrer internamente com o ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf, um dos seus maiores desafetos. De acordo com Datena, ele preferiria disputar com Marcola, um dos líderes da facção criminosa do PCC do que com o famoso político.  #Reforma política #Eleições 2016