Foi curta a viagem de Datena pelo mundo político. O apresentador afirmou nesta segunda-feira (18) que não vai mais disputar o cargo de prefeito pela cidade de São Paulo. Diante das acusações de corrupção contra o seu atual partido (PP), o apresentador disse que vai encaminhar o processo de desfiliação. “Não posso permanecer em um partido que tomou mais de 300 milhões da Petrobrás”, afirmou hoje de manhã em seu programa na rádio Bradesco Esportes.

A acusação contra o partido citada pelo apresentador foi feita em uma reportagem do Estadão nesse domingo. Datena também disse que haviam muitos rumores de uma disputa interna no PP para a definição do nome que disputaria as #Eleições em 2016.

Publicidade
Publicidade

Paulo Maluf está entre os nomes cotados para a disputa, principalmente por seu apoio a Haddad em 2012. "Jamais disputaria uma prévia eleitoral com Maluf. Preferia uma disputa com o Marcola”, disse o apresentador com firmeza.

Datena também disse que já avisou, hoje pela manhã, seu grande amigo Antonio Olim, da decisão de se desfiliar do partido. Olim foi quem incentivou Datena a se filiar ao PP no ano passado, com grande intenção de fazer o apresentador candidato à prefeitura de São Paulo.

“Saio do partido e não entro mais em partido nenhum” afirmou. O apresentador disse que sempre se sentiu desconfortável com as acusações de envolvimento do seu partido com os esquemas de propina e financiamento ilegal de campanhas, descobertos pela operação Lava-Jato. Datena disse que só tomou a decisão de deixar o partido agora, pois as coisas estão mais claras do que nunca.

Publicidade

No final do ano passado o instituto Datafolha realizou uma pesquisa para avaliar as intenções de voto da disputa pela prefeitura de São Paulo. No caso de Andrea Matarazzo ser o candidato Tucano, Datena obteria 13% das intenções de voto. Já no caso de João Dória ser o candidato do PSDB, o apresentador alcançaria 12% dos votos. A pesquisa mostrou que, em qualquer um dos casos, se as eleições fossem hoje, Celso Russomanno (PRB) venceria com 34% das intenções de voto. #Governo #Eleições 2016