A Operação #Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga um série de escândalos de #Corrupção que envolvem desvios bilionários de recursos públicos da maior estatal brasileira, a Petrobrás, durante os governos Lula e Dilma, depara-se com mais um caso estranho: um empresário ligado ao PT,  após o firmamento de um processo de acordo de colaboração premiada, muda drasticamente a sua versão, isentando o ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, em depoimento dado na última sexta-feira, dia 22.

Essa mudança substancial  em relação ao que registrara antes no seu acordo de delação, fez com que até mesmo seus advogados o abandonassem, além de colocar em alto risco o seu acordo de colaboração com a Justiça Federal e o Ministério Público.

Publicidade
Publicidade

O delator Fernando Moura, da Operação Lava Jato, havia envolvido o ex-ministro do governo Lula, José Dirceu em crimes, e de acordo com seu último depoimento prestado, mentiu ao juiz Sérgio Moro. O que causa enorme estranheza é que anteriormente Moura havia firmado um acordo de delação em que prestaria contas à Justiça, em que pudesse realmente contar tudo o que sabia, já que o mesmo é empresário e tinha ligação muito forte com o PT, em especial com José Dirceu.

 'Ameaça velada'

De acordo com Moura, um dia antes de esclarecer em depoimento tudo o que poderia  se dispor a relatar à Justiça em audiência,  estando na cidade de Vinhedo, e ao sair de um despachante em que fora realizar os trâmites para renovar sua carta de motorista, o mesmo encontrou no caminho um desconhecido, na avenida 9 de julho, que a bordo de uma moto, o perguntou se estaria "tudo bem" com seus netos que moram no Sul.

Publicidade

Moura, atônito, confirmou que estava : "tudo bem, obrigado", porém a situação inusitada causou pavor, principalmente quando a pessoa desconhecida pediu que fosse dado um abraço no filho de Moura, "Leo" e por fim se despediu.

Moura, resolveu então mudar os fatos, com medo do ocorrido, afirmando ao juiz Moro que o real motivo de ter mentido, foi imaginar que estaria colocando em risco sua própria família, já que de acordo com ele, seus netos não têm amigos ou conhecidos na cidade de Vinhedo-SP, pois moram em uma pequena cidade muito distante, no interior gaúcho, Venâncio Aires.

A explicação dada por Fernando Moura, com o intuito de evitar penas maiores, no caso de se encerrar o acordo de colaboração com a Justiça, demonstra que a investigação deve apurar concretamente todo o ocorrido. Vale ressaltar também, que Vinhedo é a cidade em que José Dirceu morava, até mesmo antes de ser preso em ação da Polícia Federal. #Petrolão