O ex-ministro e ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT-CE) concedeu entrevista ao jornal Diário do Nordeste, no último dia 31 de dezembro. Mais uma vez concentrou toda a sua opinião política contra o vice de Dilma, #Michel Temer, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ambos filiados ao PMDB. De acordo com Cid, eles representam um estilo de política 'podre', adotada há muito tempo pelo partido ao qual são filiados.

A crise política na visão do ex-ministro de Dilma

Perguntado sobre a crise política, Cid Gomes não hesitou em lançar críticas ao vice presidente Michel Temer, a quem Cid chamou de 'chefão' do chamado estilo achacador.

Publicidade
Publicidade

Também não poupou o atual presidente da Câmara, #Eduardo Cunha, a quem classificou de 'morto-vivo' e 'zumbi'. o ex-ministro de Dilma afirma que Cunha não tem mais condições de ocupar a cadeira de presidente daquela casa legislativa. A atual situação do deputado estaria gerando uma série de chacotas com o nome dele dentro do meio político.

A política podre do PMDB que 'contaminou' a presidente Dilma

O político cearense chamou a atenção para o fato de a atual crise econômica ser causada pela velha e 'podre' política praticada na relação entre o Poder Executivo e o Legislativo. Segundo Cid, a execução do velho fisiologismo, da chantagem e da extorsão, dominam o quadro interno da política. Para continuar a governar, Dilma foi obrigada a se render ao esquema, assim como fizeram Lula e Fernando Henrique.

Publicidade

De acordo com Cid Gomes, o PMDB, comandado por Temer, é o principal partido mergulhado nesta prática. E que serve de modelo para que os outros  façam o mesmo.

Cunha 'comprou' quase todos os parlamentares do congresso

Cid afirma que a influência de Eduardo Cunha prevalece na Câmara por alguns motivos. Primeiro, uma parte dos políticos que ali estão,compartilham do mesmo estilo do deputado. São os que agem através da chantagem, da extorsão, cobrando propinas e dinheiro de forma desonesta. Outra parte foi financiada pelo próprio Cunha. Ali também está a oposição que, para dar andamento ao processo de impeachment de Dilma, prefere apoiá-lo. Para que o deputado seja afastado do seu cargo, será necessário acionar a justiça, caso contrário, ele vai permanecer ali obstruindo as investigações.

A permanência de Dilma na presidência

Segundo Cid, o processo de impeachment está enterrado. Na sua visão, a opinião pública não está satisfeita com Dilma, sobretudo pelo fato do não cumprimento de suas promessas de campanha. Todavia, de acordo com o ex-governador, a população já concluiu que, com a saída de Dilma, o poder será entregue a Temer, que é o principal representante dentro do palácio do planalto da política 'podre' e de caráter achacador. #Dilma Rousseff