Alexandre Paes dos Santos, lobista preso sob a acusação de envolvimento em um esquema criminoso que visava a compra de medidas provisórias no governo federal, pediu que Lula fosse uma de suas testemunhas de defesa. A justiça determinou as convocações e o ex-presidente deve depor à favor de 'APS' nos próximos dias.

Quem autorizou a convocação de #Lula e mais onze pessoas para depor como testemunhas foi o juiz Vallisney de Souza Oliveira, que atua na 10ª Vara Federal em Brasília e é o responsável pela condução do processo da Operação Zelotes.

Além de Alexandre Paes dos Santos, a investigação mira outras quinze pessoas, todas suspeitas de envolvimento em um esquema de lobby, que segundo dados das investigações, pagavam alto valor de propina para obter medidas provisórias.

Publicidade
Publicidade

Segundo o jornal 'O Estado de S.Paulo', Lula ainda era presidente quando duas medidas provisórias do esquema investigado foram aprovadas, sendo elas as MP 471/2009 e 512/2010. As investigações também apontam que o filho do ex-presidente, Luís Cláudio Lula da Silva, teria recebido recursos financeiros referentes uma MP aprovada por Dilma, a 627/2013.

Entre 2014 e 2015, uma das empresas do filho de Lula, LFT Marketing Esportivo, recebeu R$2,5 milhões de uma das empresas citadas por supostamente pagarem propina no esquema investigado. Luís Cláudio afirmou que o valor milionário é proveniente do pagamento por serviços prestados na área esportiva.

Mais um ano sem poder

Embora Lula tenha, nitidamente, aparecido mais que a própria presidente da república durante e após as eleições de 2014, o ex presidente não obteve um ano de protagonismo político em 2015.

Publicidade

Não demorou muito para que uma das fases da Operação #Lava Jato mirasse Lula e deixasse o criador da imaginária 'elite branca' - nome dado pelo presidente à todos os que não concordam com as ações ilícitas envolvendo o PT - com a imagem desgastada.

Logo após ser intimado pela Polícia Federal, Lula se afastou da mídia e não apareceu publicamente nem para defender Dilma Rousseff após o pedido de impeachment ser aceito pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, mantendo-se em silêncio, inclusive, após a divulgação da carta de Michel Temer no começo de dezembro. #Casos de polícia