Com o título "#Lula repudia tentativa de envolvimento na #Lava Jato", a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva publicou na noite de quarta-feira (27), na sua página do Facebook, texto no qual nega ter ocultado patrimônio. Afirmando que nos últimos 40 anos Lula teve sua vida partidária e particular "vasculhada", o texto diz que nunca foi encontrada uma "acusação válida" contra ele.

A investigação

Uma investigação que está sendo realizada pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP), busca apurar se um apartamento triplex, localizado na praia de Astúrias, Guarujá, litoral de São Paulo, foi cedido pela construtora OAS para o ex-presidente.

Publicidade
Publicidade

Também a operação denominada Triplo X, da Lava Jato, investiga imóveis do Edifício Solaris, onde Lula admite ter adquirido uma cota que, segundo sua defesa, declarou ao Fisco. Para tornar-se proprietário do imóvel, Lula deveria pagar a diferença entre o valor da cota e do apartamento, o que não aconteceu. Apesar de negar veementemente, depoimentos do zelador e da porteira do edifício confirmam que tanto o ex-presidente, quanto sua esposa Marisa Letícia e outros familiares estiveram mais de uma vez no local.

As testemunhas

O triplex, que pertence à construtora OAS, acusada de participação no esquema de corrupção da Petrobras, teria sido reformado para Lula. Um dos sócios da Tallento Construtora, empresa contratada pela OAS para a reforma, foi uma das testemunhas ouvidas pelo MPSP. Armando Magri relatou que durante a reforma não teve contato com Lula, mas viu Marisa Letícia no imóvel uma vez.

Publicidade

Outra testemunha é José Afonso Pinheiro, zelador do Edifício Solaris, que contou ter visto o ex-presidente no apartamento por duas vezes. A primeira, acompanhado da esposa, foi durante a limpeza geral do imóvel. A segunda, quando da instalação de um elevador privativo. Ainda segundo o zelador, Marisa frequentou as dependências do empreendimento fazendo perguntas sobre a piscina, salão de festas e outras áreas comuns. Disse também que a OAS providenciava limpeza do prédio e arranjos florais quando das visitas da família de Lula.

Letícia Eduarda, que trabalha na portaria do edifício também foi ouvida e confirmou que Lula visitou o apartamento durante a reforma. Ambos disseram que os seguranças do ex-presidente interditavam os elevadores quando Lula e familiares compareciam no local.

A reforma

O sócio da Tallento Armando Magri, disse que sua empresa foi contratada para modificar o layout do triplex. Ele confirmou que foi instalado um elevador privativo, além da reforma de acabamentos, piscina, pintura e outros itens: "praticamente refizeram o apartamento". O custo da obra foi de R$ 777.189,13, pagos através de transferência bancária (TED).