Quem não gosta da bagunça do #Carnaval ou que necessita dos serviços da saúde pública possui motivos de sobra para comemorar a decisão da prefeita de Porto Ferreira. Renata Braga decidiu juntamente com seus assessores que esse ano a prefeitura não vai custear o desfile de carnaval da cidade, revertendo a verba de R$120 mil para a saúde pública, incluindo a compra de uma nova ambulância.

A decisão de Renata, no entanto, não proíbe ou impede que blocos independentes saiam às ruas durante o feriado prolongado de carnaval, apenas não haverá apoio financeiro da prefeitura. Cancelar a tradicional festa bancada pelo poder público foi uma decisão essencial para melhor utilizar o dinheiro da prefeitura, uma vez que a cidade, assim como boa parte do Brasil, está com o ‘caixa’ reduzido nesse ano.

Publicidade
Publicidade

O único gasto que a prefeitura terá e que na verdade, já havia realizado, é com a distribuição das camisetas de alguns blocos. A Prefeitura de Porto Ferreira utilizou o seu blog oficial para comunicar a decisão à população e pedir a compreensão dos foliões, deixando claro que eles podem comemorar e prosseguir com a festa normalmente, desde que seja com gastos independentes ou de patrocínio de terceiros.

Representantes de cinco blocos tradicionais da cidade compareceram à uma reunião com a prefeitura para falar sobre o assunto. Renata deixou claro que em um momento de crise financeira, a prioridade da cidade é a saúde pública e ratificou o pedido de compreensão de todos. A população e os foliões não fizeram declarações oficiais sobre a decisão, mas alguns internautas da cidade se dividiram entre apoiar e aplaudir a decisão e outros, a minoria, de reclamar da atitude mais do que necessária.

Publicidade

Caos na saúde carioca

Enquanto a prefeita de Porto Ferreira, em São Paulo, tomou essa decisão em prol à saúde pública, no Rio de Janeiro a saúde encontra-se na UTI, com poucos médicos e muitos deles sem pagamento, fazendo com que parte destes deixem de trabalhar. Falta hospitais, medicamentos, leitos e vagas para exames, consultas e cirurgias.

Mesmo com a crise financeira que invadiu os cofres públicos do #Governo do Estado do Rio de Janeiro, o poder público investiu R$800 mil para levar Zeca Pagodinho para cantar na festa de Réveillon, que rolou na Praia de Copacabana dia 31 de dezembro. A justificativa foi que o show quase milionário faria a cidade arrecadar mais de R$2 milhões com a população e turistas.

Enquanto isso, cariocas enfrentam horas em hospitais para conseguir atendimento. Muitas UPAS que funcionavam 24 horas, estão funcionando só 12 horas com a mesma precariedade de antes. Muitos cidadãos precisam sair de casa de madrugada para tentar uma vaga em um posto de saúde ou hospital no decorrer do dia e muitos deles, voltam para a casa sem conseguir.

O que você achou desse contraste entre as duas decisões? Deixe um comentário com a sua opinião. #sistema de saúde