Depois de ter passado as festas de fim de ano com sua família na cidade de Porto Alegre/RS,  a presidenta Dilma Rousseff promete iniciar novos desafios na economia e na política para o ano de 2016.

Cinco dias após começar o ano, a agenda da presidenta parece estar cheia de trabalhos no Palácio do Planalto, e a previsão é de que ela se reúna com os seus ministros e assessores ainda nestas primeiras semanas de janeiro para discutir projetos.

Em sua conta nas redes sociais, a presidenta Dilma se mostrou bastante otimista com suas mensagens de bom presságios para 2016. Fora isso, teve também um artigo publicado no dia 1° de Janeiro pelo jornal "Folha de S.

Publicidade
Publicidade

Paulo" onde a presidenta expressa seu otimismo de ver um ano melhor para o país,  acrescentando metas sobre a economia e melhorias na política , tais como novos ajustes no plano econômico, controle e análise da inflação, entre outros temas.

Em relação ao controle e análise da inflação, a presidenta declarou que a estratégia será manter as taxas no controle e disse ainda que elas poderão sofrer uma queda em 2016, pois tal ação é a prioridade de seu #Governo.

Em referência à política, a presidenta mencionou a tentativa de seu impeachment no ano passado e disse que se sentiu injustiçada por isso, mas que não guardará mágoas, acrescentando sempre com muita convicção que o governo fará questão de manter diálogos com todos que anseiam construir um país melhor.

Em seus últimos trabalhos realizados em 2015, a presidenta Dilma reuniu sua equipe da área econômica e promoveu o reajuste salarial para o ano de 2016, assinando um decreto que passou a vigorar a partir do dia 1° de Janeiro, que determina o aumento do salário mínimo de R$ 788,00 para R$ 880,00 mensais.

Publicidade

O único reajuste que não foi confirmado pela presidenta foi o do programa Bolsa Família, devido ao momento de crise.

Por fim, este decreto do reajuste salarial já entrou em vigor, e, conforme relatos da própria Dilma, os reajustes são necessários para o equilíbrio econômico do país, portanto, o negócio é aguardar o que vem por aí. #Dilma Rousseff #Crise no Brasil