O PSDB acaba de protocolar junto a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE), na tarde desta quarta-feira (20), uma representação contra o #PT por suposto uso de recursos do exterior na campanha do presidente Lula em 2006. A denúncia foi feita, em delação premiada, pelo ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Caso seja comprovado o uso indevido do dinheiro, o Partido dos Trabalhadores pode ter o seu registro partidário cassado ou até ser extinto, segundo informou o vice-presidente jurídico tucano, deputado Carlos Sampaio (SP).

A representação tem como objetivo fazer com que as denúncias de Cerveró sejam investigadas. O ex-diretor da Petrobras declarou que a campanha de Lula naquele ano recebeu o valor de R$ 50 milhões em propina, dinheiro esse referente a uma negociação no ano de 2005 para a compra de blocos de petróleo na África que custaram US$ 300 milhões.

Publicidade
Publicidade

Caso sejam comprovadas as denúncias, aí sim é dado início ao processo de perda do registro. É importante ressaltar que com a eventual extinção do PT, os políticos já eleitos pelo partido não irão perder seus mandatos.

Carlos Sampaio declarou que a extinção do PT não é a vontade pessoal dele nem do #PSDB, porém, é uma possibilidade devido a consequências legais. O deputado ainda disse que a representação não envolve o ex-presidente Lula, é apenas um pedido de investigação contra o PT. O deputado tucano disse: “Independentemente do que vá acontecer com o ex-presidente Lula, a consequência é direta para o seu partido, para o Partido dos Trabalhadores”.

O líder da bancada tucana na Câmara foi questionado se Cerveró pode ser considerado um delator confiável, pois já afirmou que também existiu propina na época do Governo FHC, valor esse que chegou a US$ 100 milhões.

Publicidade

Segundo declarou, se a denúncia tiver consistência, precisa ser investigada, mesmo quando se refere ao PSDB. Carlos Sampaio disse que a posição do PSDB é de apoiar tudo que a PGR achar que tem pertinência para ser investigado.

Leia aqui o documento protocolado pelo PSDB junto a PGR.