Nesta quinta-feira (21), o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou ter conversado com dirigentes do Partido dos Trabalhadores sobre um possível apoio ao seu candidato à Presidência da República nas #Eleições de 2018, que muito provavelmente será representado pelo ex-ministro Ciro Gomes.

De acordo com Lupi, na possibilidade de o PT não realizar a candidatura à presidência nas próximas eleições, um apoio ao seu candidato seria uma provável saída, que já conta com alta receptividade dos dirigentes petistas. Segundo ele, uma “parcela significativa” da legenda da presidente Dilma Rousseff já vê “com muita simpatia” o nome de Ciro Gomes como candidato.

Publicidade
Publicidade

Em uma coletiva de imprensa realizada nesta manhã, o presidente do PDT informou que o partido terá candidato próprio independente de qualquer cenário para 2018, contando ou não com o apoio petista, mesmo que este lance o nome do ex-presidente Lula como candidato mais uma vez.

O nome de Ciro Gomes ainda não está oficializado, mas o presidente acha muito difícil que haja alguma alteração. Lupi destacou ainda que já informou pessoalmente a direção do PT sobre esta escolha, inclusive a presidente Dilma e o ex-presidente Lula, este que por sua vez fez questão de dizer que é um direito legítimo do PDT optar por candidatura própria.

De acordo com o pedetista, os dois partidos possuem uma relação antiga de fraternidade, afirmando que ninguém precisa enganar ninguém e que as escolhas feitas por cada partido são deixadas às claras.

Publicidade

Lupi diz ter conversas com muitos dirigentes petistas e a ideia de candidatar Ciro Gomes em 2018 teve uma recepção realmente boa entre os membros do PT.

Em 2008, Ciro Gomes havia cogitado a sua candidatura à Presidência da República nas eleições de 2010, passando um ano depois a pensar nas eleições para o #Governo do estado de São Paulo, mas acabou não participando de nenhuma candidatura nas eleições citadas. Na disputa do primeiro turno, Ciro acabou não participando da campanha de Dilma Rousseff, vindo a apoia-la no segundo turno. O político filiou-se ao PDT em setembro de 2015 após breve passagem pelo PROS.