A cada início de ano legislativo na Câmara dos Deputados, novos – ou velhos – líderes são escolhidos para encabeçar as tomadas de decisões de seus partidos durante o ano que se segue. Em 2016, particularmente, essa é uma posição chave no cenário político, pois são esses líderes que irão indicar os nomes dos deputados que farão parte da polêmica Comissão do Impeachment.

O caso que mais está agitando os bastidores dos partidos é o do PMDB. Depois de ter sido organizada uma manobra por Eduardo Cunha (RJ) para retirar Leonardo Picciani (RJ) da liderança da bancada do partido e alçar a essa posição Leonardo Quintão (MG), o presidente levou um duro golpe ao ter sua jogada anulada poucos dias depois, quando Picciani conseguiu todas as assinaturas de apoio necessárias e voltou ao posto.

Publicidade
Publicidade

Para 2016, o plano de Eduardo Cunha é indicar um terceiro nome para a disputa, pretendendo levar a votação para segundo turno. Picciani e Quintão já são candidatos, o nome que Cunha deve apontar é o de Hugo Motta (PB), deputado que já presidiu a CPI da Petrobras e é um dos grandes aliados do presidente da Câmara. Picciani é contra o impeachment, o candidato de Cunha será a favor, já Quintão tende mais a ser favorável a saída da presidente Dilma, porém, sua posição ainda não é clara, pois sua base de apoio ainda não é tão firme, dependerá muito do nome indicado por Eduardo Cunha.

PSDB

A bancada dos tucanos foi liderada pelo deputado Carlos Sampaio (SP) no ano legislativo que se passou. Em 2016, o líder será o deputado Antonio Imbassahy (BA). Sampaio foi muito criticado pela sua amizade com Eduardo Cunha, o que dificultou na hora do rompimento do #PSDB com o presidente da Câmara.

Publicidade

Parte da bancada queria se afastar de Cunha já há algum tempo, porém, Sampaio só se manifestou após falas constantes de Aécio Neves contra o modos operante de Cunha.

Líderes mantidos

O PPS mantêm o deputado Rubens Bueno (PR) na liderança de sua bancada desde 2011 e não irá mudar para 2016. O PSD reconduziu Rogério Rosso (DF) ao cargo após breve hiato.

DEM e PT

Os dois partidos só irão eleger seus líderes no início de fevereiro. Sibá Machado (#PT-AC) e Mendonça Filho (DEM-PE) lideraram as bancadas em 2015, e ainda não é certo se serão mantidos ou trocados. Nesses casos, pouco importa os nomes, as funções e os posicionamentos já estão bem claros, independente do ocupante do cargo.

Lideranças rotativas

Psol e PCdoB decidiram por adotar lideranças rotativas, então é certo que novos nomes irão surgir para substituir Chico Alencar (Psol-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Blocos partidários

São dois os blocos: PP, PTB, PSC e PHS, e o segundo formado por PR, PSD e Pros. Os líderes eram, respectivamente, Jovair Arantes (PTB-GO) e Maurício Lessa (PR-AL). Apenas no começo de fevereiro que os nomes serão indicados. #Congresso Nacional