Em evento público nesta quinta-feira, dia 28, em Curitiba, o vice-presidente da república, #Michel Temer, iniciou a sua caminhada política, rumo à sua reeleição para a presidência do PMDB. O vice declarou, na ocasião, que o seu partido possui um projeto de #Governo para o Brasil e que pretende colocá-lo em prática, assim que o mesmo assumir o comando do país partir de 2018. Temer quer desmontar a noção errônea de que a sigla só existe para angariar cargos influentes dentro do governo.

Temer começa sua campanha para a reeleição

Michel Temer fez questão de iniciar a sua campanha de reeleição para a presidência do PMDB pelas cidades da região Sul.

Publicidade
Publicidade

A intenção de Temer é que o partido saia fortalecido para as #Eleições municipais já deste ano. No primeiro evento, ele esteve em Curitiba e depois em Florianópolis, onde pretende ganhar espaço com o seu partido. Depois desta região, o peemedebista partirá em campanha para visitar as principais cidades do Nordeste.

O foco inicial do PMDB são as eleições municipais em 2016

A ação do PMDB se inicia assim com o apoio às candidaturas do partido nas eleições municipais. Liderando a chamada  'Caravana da Unidade', Temer declarou apoio ao deputado estadual Requião Filho, que é candidato a prefeito da capital Curitiba. O apoio peemedebista será estendido para a eleição de seus candidatos nas grandes capitais brasileiras. Atualmente, o partido está à frente das prefeituras nas capitais do Rio de Janeiro e Boa Vista(RR).

Publicidade

O objetivo é lançar candidatos próprios a prefeitos em São Paulo, no Rio e Porto Alegre. 

Como uma segunda etapa do projeto peemedebista, está previsto o apoio às eleições para governadores. O sucesso das eleições municipais deste ano servirá de base para eleger os governadores para o partido e, deste modo, preparar a base para 2018, quando a sigla vai partir com candidato próprio para a sucessão de Dilma Rousseff. 

 A sua relação com Dilma e a Lava Jato

Quando perguntado sobre a sua relação com Dilma, Temer restringiu-se a responder que a mesma era boa e limitou-se a defender candidatura própria em 2018. Com relação à Lava Jato, o vice presidente afirmou que esta é uma investigação que deve ocorrer de maneira independente, sem que prejudique o funcionamento dos processos políticos e administrativos que põem o Brasil em pleno funcionamento.