Um bilhete enviado por Mônica Moura Santana, esposa do marqueteiro João Santana, ao lobista Zwi Skornicki, está “tirando o sono” do Governo Federal e dos aliados do PT (Partido dos Trabalhadores). A apreensão dos petistas se deve pelo fato de que, no bilhete, Mônica orienta o lobista sobre a melhor forma de enviar pagamentos a mesma no exterior.

O bilhete foi apreendido pela Polícia Federal e está sendo investigado pela nova fase (23ª) da Operação #Lava Jato, denominada como Operação “Acarajé”. Segundo assessores da presidência, tal bilhete já se transformou em uma “arma” da PF contra Mônica Moura e João Santana, podendo ser interpretado pelos investigadores da Lava Jato como uma espécie de confissão do casal de alguma ilegalidade investigada.

Publicidade
Publicidade

Mônica prestou depoimento aos investigadores da “Acarajé” para esclarecer trechos do bilhete, como a parte em que afirma que apagou o nome da empresa “por motivos óbvios”, e que não tinha cópia eletrônica “por segurança”.

O #Governo já se pronunciou sobre o caso e afirma que não existiu nenhuma irregularidade com relação aos pagamentos feitos a João Santana durante a campanha política de Dilma Rousseff em 2014. #Investigação Criminal