Parece que o recesso de carnaval na Câmara dos Deputados serviu para o presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ) preparar mais uma manobra com seus aliados. Vendo sua situação se complicar na Comissão de Ética da Casa Legislativa, Cunha convocou seu aliado e líder da bancada do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO), e solicitou a mudança do representante do partido. Sai Arnaldo Faria de Sá (SP), que vinha votando contra Cunha, e entra Nilton Capixava (RO) com a determinação de ser um voto favorável ao peemedebista.

A mudança foi oficializada na última segunda-feira (15) pelo líder da bancada do PTB. Essa troca é de vital importância para #Eduardo Cunha, pois sua situação no Conselho de Ética se encontrava muito acirrada.

Publicidade
Publicidade

A votação – já anulada por manobra do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA) – que determinava a aprovação do relatório do deputado Marcos Rogério (PDT-RO) para dar continuidade ao processo contra Cunha acabou com 11 votos favoráveis e 9 contrários.

Os integrantes da Comissão de Ética são eleitos para um mandato, não podendo ser substituídos pelos líderes de bancada, porém, Arnaldo de Sá afirmou que foi consultado por Jovair Arantes se manteria o voto contrário a Cunha, e afirmou que sim. Sá declarou a Folha de S. Paulo que o líder de sua bancada pediu que ele abrisse mão da vaga, com medo de retaliação de seu líder, segundo afirmou, ele resolveu ceder.

Jovair Arantes se defendeu afirmando que nunca interferiu em nenhuma votação de Sá durante seu mandato na Comissão de Ética, e que na bancada de 25 deputados, um parlamentar não pode ocupar tantas vagas em comissões, tendo como preferência para Sá as comissões de Seguridade Social ou em Trabalho.

Publicidade

Quem é o novo integrante?

Nilton Capixaba tem experiência nessa situação a qual Eduardo Cunha se encontra. Em 2006, o deputado teve que responder a pedido de cassação por suposto envolvimento no que ficou conhecido de “máfia dos sanguessugas”. O caso trata de compras de ambulâncias superfaturadas em esquemas com emendas parlamentares. O processo foi arquivado porque o mandato do deputado acabou e ele não se reelegeu.