Nesta sexta feira 19 por volta de 20:00 hs, o Senador Delcídio do Amaral (PT-MS) que cumpria pena a mais de 80 dias no 1 Batalhão de Policiamento de trânsito de Brasília, passará a cumprir prisão domiciliar. Após autorização de Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Na decisão Teori entendeu que a prisão pode ser substituída por medidas cautelares. A cada 15 dias o parlamentar deverá se apresentar a um juiz e o seu passaporte deverá ser entregue.

O advogado do Senador Luís Henrique Machado confirmou que Delcídio do Amaral passará o fim de semana em um Hotel na capital federal, onde encontrará sua família.

Publicidade
Publicidade

Na segunda feira (22) deverá ocupar seu lugar no Senado. Diogo Ferreira, chefe de gabinete do Senador recebeu habeas corpus também nesta sexta 19.

O parlamentar foi acusado em novembro de 2015 de atrapalhar as investigações da Operação Lava-Jato. Bernardo Cerveró, filho de Nestor Cerveró, ex-diretor da petrobrás gravou uma conversa via celular. O Senador da República prometia manipular as decisões no STF para derrubar a #Lava Jato. Segundo os investigadores, Delcídio aconselhou fuga a Nestor Cerveró, na tentativa de evitar a delação premiada.

Operação Lava Jato

Considerada a maior operação já realizada no Brasil, a Operação Lava Jato, ao realizar investigações com doleiros que atuavam em vários estados do País, descobriu um enorme esquema de #Corrupção envolvendo a Petrobrás. Grandes empreiteiras como a Odebrecht participavam do esquema, vários executivos foram presos em novembro,mas deixaram a prisão em abril, além de políticos de vários partidos. 

O doleiro Alberto Youssef, classificado como o um dos maiores operadores do esquema, antes já investigado por lavagem de dinheiro, movimentou bilhões de dólares com ajuda de seu parceiro, o doleiro Carlos Habib Chater.

Publicidade

Os doleiros usavam um posto de combustível como frente do esquema. Segundo a investigação foi pago propina a políticos e funcionários da Petrobras, de acordo com ex-gerente da empresa, o delator Pedro Barusco, o valor foi de 1,2 bilhão. Barusco devolveu 97 milhões desviados da estatal. #Governo