Em reunião com lideranças políticas no último dia 23, Dilma iniciou uma série de encontros com toda a bancada política da Câmara, a fim de discutirem alternativas para que se possa buscar meios de atenuar os efeitos da crise econômica sobre o seu #Governo. Num almoço, no Palácio do Planalto, com os deputados federais do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), a presidente discutiu alternativas de se aumentar a receita, caso a CPMF não seja aprovada no Congresso.

A presidente já considera a possibilidade de desisitir de voltar a cobrar a CPMF

Após explanar aos parlamentares presentes sobre situação econômica que o país atravessa, Dilma declarou que já considera a possiblidade de desistir da CPMF, desde que seja elaborada uma alternativa à volta do imposto, para que o governo possa elevar a arrecadação.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, Dilma justificou que, a alíquota de 0,38%, poderia render uma receita de R$ 70 bilhões ao ano, que seriam repartidos entre governo, Estados e Municipios.

A possibilidade de desistir do imposto sobre o cheque foi levantada a partir da real dificuldade que o governo irá enfrentar, dentro da casa legislativa, de que a proposta seja aprovada. As resistências são oriundas até mesmo dos próprios aliados do governo. Diante do quadro, a própria Dilma se dispôs a iniciar um diálogo com as várias siglas para que propostas sejam apresentadas e analisadas.

Durante o encontro com o PTB, Dilma ouviu de seus representantes que a sigla possui uma proposta alternativa para a cobrança da CPMF. Os detalhes do projeto foram repassados para a chefe do poder executivo, pelo líder do partido na Câmara, Jovair Arantes (GO).

Publicidade

Entretanto, quando questionado pela imprensa sobre o funcionamento do projeto, o político não quis dar maiores detalhes. Ele optou por divulgá-lo somente após Dilma manifestar-se favorável ao mesmo.

O partido justificou a elaboração do plano, lembrando que todos são chamados para trabalhar a fim de tentar tirar o país da crise. Segundo o seu representante, todos os partidos políticos deverão dar a sua parcela de contribuição pelo Brasil. O PTB estaria se posicionando neste sentido. 

A presidente Dilma mostrou grande interesse na proposta e comprometeu-se com os seus componentes que a alternativa  seria analisada e que deveria divulgar um posicionamento oficial a respeito da mesma nos próximos dias.       #Dilma Rousseff #Finança