O juiz federal Sérgio Moro encaminhou ao Supremo Tribunal Federal um ofício pedindo a permanência do empresário Marcelo Odebrecht na prisão. O juiz alegou que há um risco de executivos da Odebrecht fugirem do país. Moro diz nesse documento direcionado ao ministro Teori Zavascki, que Fernando Migliaccio e Luiz Eduardo da Rocha Soares da Silva, ambos executivos da Odebrecht, foram para os Estados Unidos durante as investigações com todas as despesas pagas pela empreiteira. O juiz ainda relatou ao ministro que Migliaccio, alvo da fase "Acarajé", já estava preso na Suíça depois que a operação foi deflagrada.

Moro também lembrou de Bernardo Shiller Freiburghaus que se refugiou neste mesmo país europeu.

Publicidade
Publicidade

Bernardo era suspeito de participar dos crimes de #Corrupção da Odebrecht. O juiz paranaense ainda explicou nesse ofício a rejeição do pedido que o Ministério Público Federal fez para uma nova prisão do empreiteiro, argumentando que queria evitar a percepção de que buscava, através de outra instância da justiça, eliminar a libertação do empresário.

Situação de Marcelo Odebrecht

O empresário Marcelo Odebrecht tenta a todo momento conseguir Habeas Corpus na Corte, o que foi negado até agora. O empresário está preso desde junho (2015) na Operação #Lava Jato. Nesta semana ele foi chamado para explicar anotações encontradas em seu celular com frases suspeitas, como "HS/LE", "proteger nossos parceiros", "viajar já", "fechar as contas sob risco" e "Ir para fora já", porém Marcelo manteve-se em silêncio.

Publicidade

 Na visão de Moro, essas frases sugerem que o empresário orientava executivos a saírem do país. Esses executivos controlavam contas no exterior. "HS" seria o executivo Hilberto Silva, que aparece na documentação de uma offshore chamada Smith & Nash como representante da Odebrecht  e "LS" o executivo Luiz Eduardo da Rocha Soares. 

A defesa

A empreiteira afirmou que está colaborando com as investigações. Porém, o juiz Sérgio Moro se mantém firme na busca de novas provas para o prosseguimento das apurações. #Polícia Federal