A crise moral, ética-política, econômica e social enfrentada pelo Brasil, faz com que a oposição ao governo Dilma Rousseff e, principalmente setores dissidentes do PMDB, já procurem uma solução para mudar os rumos da nação. O país atravessa, provavelmente, a pior crise de sua história moderna e contemporânea, fruto da administração de um governo desacreditado pela imensa maioria da população que sofre com inflação alta e desemprego galopante. Com base no momento atual atravessado por toda a nação brasileira, surge um movimento de união que envolve parlamentares contrários ao governo petista

Efeito Operação Lava-Jato

O aprofundamento das investigações da Operação Lava-Jato, que inclusive levaram à prisão do marqueteiro João Santana e de sua esposa Mônica Moura, foi algo determinante para que PMDB e PSDB iniciassem conversas com ministros do Supremo Tribunal Federal, com a finalidade de se alcançar uma saída constitucional que proporcione o fim do governo Dilma.

Publicidade
Publicidade

As tratativas da oposição, PMDB e ministros do STF, analisam os processos de cassação e de impeachment. De acordo com o senador tucano, Cássio Cunha Lima, o momento é de que se busque um entendimento com os pmdbistas: "Sempre apostamos na cassação da chapa liderada por Dilma, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas vamos procurar o comando do PMDB, para buscar uma saída", declarou no Senado Federal.

No PMDB, apesar do processo de impeachment ter recuado alguns passos atrás, devido à suspensão do processo no STF, e por ventura, com o apoio aliado de Renan Calheiros ao governo petista, já percebe-se que "os ventos mudaram", principalmente em relação aos efeitos da prisão de João Santana, marqueteiro das campanhas petistas, atingido "em cheio" pela "Operação Acarajé", braço da Operação Lava-Jato, cujas investigações suspeitam que Santana tenha recebido dinheiro de forma ilícita, através de pagamentos efetuados por empreiteiras envolvidas no esquema de #Corrupção que remontam aos desvios bilionários dos cofres públicos da Petrobras.

Publicidade

A esperança e grande expectativa das lideranças oposicionistas e de grande parte dos membros do PMDB, é que um processo de impeachment avance a passos largos, já que a cassação poderia demorar até dois anos, e o que se espera é que haja um efeito devastador no governo petista, as manifestações previstas para 13 de março em todo o Brasil, que serão, sem sombra de dúvida, um termômetro fundamental para se alavancar de vez o processo de impeachment. #Dilma Rousseff #Crise no Brasil