#Dilma Rousseff fará em 2016 uma #Viagem inédita ao Irã. A informação foi divulgada na manhã de ontem, 12, pelo Palácio do Planalto.

Segundo assessores da presidência, a viagem tem como objetivo ampliar o comércio exterior do Brasil, mais especificamente, estender os negócios com o país do Oriente Médio, que recentemente se viu livre das sanções internacionais devido a aprovação do Pacto Nuclear estabelecido com a ONU.

De acordo com informações publicadas pelo jornal Folha de São Paulo, Dilma se encontrou na última quinta-feira, 11, em Brasília, com o embaixador iraniano Mohammed Ali. No encontro, foram acertados os detalhes da viagem da presidenta a Teerã, capital iraniana.

Publicidade
Publicidade

Além disso, foi negociado o aumento significativo da relação comercial entre os dois países.

Além de Dilma, representaram o Brasil no encontro, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, e o chanceler brasileiro, Mauro Vieira.

A estimativa é que o presidente do Irã, Hasan Rowhani, venha ao Brasil em 2017 para retribuir a visita de Dilma, que ainda não tem uma data confirmada, mas que, segundo o Planalto, deve ocorrer neste ano, pois o #Governo tem interesse em acelerar as negociações econômicas com os iranianos.

Interesses entre Brasil e Irã                                                                                               

Uma série de produtos está em negociação nesta intensificação das aproximações econômicas entre Brasil e Irã. Da parte dos iranianos, o interesse maior está na compra, em grande quantidade, de máquinas agrícolas, táxis a gás, caminhões e ônibus produzidos em território brasileiro, o que anima o setor industrial por aqui, que anda bastante comprometido por conta da crise econômica.

Publicidade

Além disso, os iranianos querem também comprar uma quantidade significativa de aviões produzidos pela Embraer, maior empresa do ramo no Brasil. O objetivo do Governo de Rowhani é reativar a aviação do Irã na região do Oriente Médio, um dos setores mais prejudicados pelas sanções internacionais ao país.

Já da parte do Brasil, o interesse principal é no petróleo iraniano, considerado um dos melhores do mundo, devido à alta qualidade, o que, segundo o Governo, é ideal para o setor petrolífero brasileiro. Outros interesses dos brasileiros estão relacionados às indústrias de bio e nanotecnologia existentes no Irã.

Após apresentarem seus respectivos interesses, agora os representantes de Brasil e Irã vão avaliar as propostas com a participação do setor privado, para concluir sobre o que poderá, de fato, ser executado nesta negociação comercial.

Cientista Político avalia negociação                   

Para Jorge Gomes, cientista político, o interesse do Brasil em acelerar as negociações com Irã se deve devido à crise econômica que assola o país.

Publicidade

“O interesse do Governo Iraniano em comprar produtos do Brasil ‘caiu do céu’ para o Governo de Dilma Rousseff. Essa é uma grande oportunidade para se obter uma boa quantidade de entrada de capital no país, o que ameniza um pouco a crise, pois da um pouco mais de gás aos cofres públicos, e livra, por um tempo, a barra da presidenta com os empresários dos ramos que serão beneficiados com essa negociação. É uma espécie de alivio momentâneo para o Governo”, afirma Gomes.

“Outro ponto positivo desta negociação, é o fato de que vai ampliar o leque de produtos exportados pelo nosso país, ainda majoritariamente ligado a produtos básicos. Ao exportar aviões, ônibus e caminhões, por exemplo, o Brasil poderá conquistar maior confiança de outros mercados para também adquirir estes mesmos produtos por aqui, o que seria excelente para a nossa economia, que anda tão sufocada com a crise”, diz.

“Além disso, ao ser um dos primeiros países a se relacionar comercialmente com o Irã, após o fim das sanções a este país, o Brasil ganha um aliado importante em uma das regiões mais visadas do planeta, devido ser berço de petróleo. Em um mundo que anda sempre em tensões políticas, todo aliado é bem-vindo”, conclui o cientista político.