O amor e ódio que a população brasileira vive com o Partido dos Trabalhadores já é conhecido e de longa data. Pesquisa divulgada recentemente por cientistas políticos e publicada na Folha de S. Paulo aponta o #PT como o partido mais amado pelos entrevistados, com 15,95% da preferência. Por outro lado, ele também é o mais odiado, 11,44% se disseram “antipetistas”.

A pesquisa busca traçar um perfil da população quanto suas preferências políticas. Ela já havia sido realizada em dois momentos, no ano de 1997 e no ano de 2006. Quando a pesquisa foi feita pela primeira vez, antes do ex-presidente #Lula e do PT terem chegado a presidência, algo em torno de 14% dos entrevistados se declaravam simpatizantes ao PT.

Publicidade
Publicidade

No segundo momento, após o fim do1º mandato Lula, o número de petistas cresceu consideravelmente, eram 23,28% dos entrevistados. Após o segundo mandato de Lula e o primeiro de Dilma, os simpatizantes petistas caíram drasticamente para 15,95% dos entrevistados.

Se os números de petistas oscilaram, chegando ao ápice após o primeiro mandato de Lula e caindo drasticamente 8 anos depois, os entrevistados que se disseram “antipetistas” só cresceram desde a primeira pesquisa. Em 1997, 7,49% se diziam “antipetista”, em 2006, esse número saltou para quase 10%, e na última pesquisa, após o primeiro mandato Dilma, em 2014, os “antipetistas” eram 11,44%.

A pesquisa foi organizada pelos cientistas políticos David Samuels, professor da Universidade de Minnesota (EUA), e Cesar Zucco Jr., da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro. Foram ouvidos 3.120 participantes no ano de 2014, no fim do 1º mandato da presidente Dilma.

Publicidade

Em1997, foram 2.496 entrevistados, em 2006, foram 2.379.

Perfil de “antipetistas”

Os cientistas políticos traçaram um perfil psicológico e social dos entrevistados que se declararam “antipetistas”.

Segundo os profissionais que organizaram o estudo, a média de idade é de 40 anos, se declaram brancos e de renda alta. Defendem os militares no poder e aceitam pagar mais impostos para saúde e educação. #Dilma Rousseff