A apuração precisa e eficaz da Polícia Federal caminha de maneira firme, através de uma de suas frentes de investigação: a Operação Zelotes. A força-tarefa é responsável pela investigação de toda #Corrupção que se instalou no Conselho de Administração de Recursos Fiscais (CARF) e também pela chamada "compra" de medidas provisórias durante o final do #Governo Lula e consequentemente, no início do governo Dilma Rousseff. As investigações da Polícia Federal tentam desvendar a corrupção sistêmica, que além do escândalo da Petrobrás, também atingiu outros órgãos públicos como o CARF e o favorecimento de empresários de montadoras de veículos, interessados na compra de medidas provisórias.

Publicidade
Publicidade

A investigação da PF

As apurações dão conta de que existe uma "estreita" ligação entre a ex-ministra chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, para com o grupo acusado de realizar a "compra" de medidas provisórias que são de interesse das montadoras de veículos durante os governos petistas. As suspeitas são reforçadas através de documentos apreendidos pela Operação Zelotes, da Polícia Federal, nas casas de dois dos envolvidos no esquema, em que foram encontradas anotações que referenciam à ex-ministra e  uma das melhores amigas de #Dilma Rousseff. As apurações vêm à tona trazendo mais apreensão ao governo da presidente Dilma, já imerso em acusações de corrupção. Erenice foi secretária da Casa Civil e posteriormente, titular da mesma pasta, de 2005 a 2010. As apurações da PF, tem como alvo duas  medidas provisórias que teriam sido "encomendadas", e então encaminhadas para assinatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Publicidade

A defesa

Tanto Erenice, quanto o ex-presidente Lula, além de outros agentes públicos são alvos da investigação da Operação Zelotes, em que se verifica se realmente atuaram na prática corruptiva ou se foram vítimas de tráfico de influência em benefício de lobistas que atuaram em prol do setor automotivo, principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

As apreensões documentais na casa do lobista Mauro Marcondes e de sua mulher, Cristina Mautoni,  apresentam as anotações: "Erenice" e "conta: 55 8654672". Para a Polícia Federal, os documentos caracterizam e sugerem fundamentalmente, o envolvimento de Erenice no esquema e a numeração encontrada, de acordo com a PF, trata-se de uma conta bancária. A PF esclarece ainda que um "grupo", agora investigado, anteriormente havia se "organizado de forma criminosa", de acordo com as investigações da Polícia Federal. Os lobistas Marcondes e sua esposa Cristina, estão presos. Já Erenice Guerra se defendeu, afirmando que não sabe a razão de seu nome ter sido encontrado nas anotações apreendidas.

Publicidade

As relações suspeitas entre envolvidos, confirmadas pela localização robusta de documentos, denotam que muito mais ainda pode ser desvendado, cuja apuração remonta à toda corrupção que se  alastrou em diversos órgãos públicos e instituições federais, ocasionando enorme instabilidade política a um governo já desacreditado e envolvido numa grave crise, sem precedentes.