A imprensa noticiou o fato de #Lula ser nomeado como Ministro da Casa Civil, como uma manobra de Dilma para impedir que o companheiro continuasse sendo investigado pelo juiz Sérgio Moro e até mesmo evitar uma possível prisão, mas se esse era o plano, tudo saiu errado. Os brasileiros foram para a rua, protestaram e mostraram sua indignação com a nomeação.

A Justiça também se pronunciou e não permitiu que a posse de Lula fosse concretizada. Diante da pressão popular e sem ver maiores perspectivas nesta manobra, o ex-presidente já pensa em uma outra estrategia.

Na noite desta segunda-feira (21), Luiz Inácio Lula da Silva estará se reunindo com a presidente Dilma no intuito de encontrarem uma outra solução.

Publicidade
Publicidade

O petista já aceitou renunciar ao cargo que nem chegou a ocupar na Casa civil, para vir a ser um "articulador informal" da presidente do Brasil.

Porém, para não correr o risco de novamente ser impedido pela Justiça, a ordem agora no PT é verificar sobre a legitimidade desta nomeação, para que a posse não seja mais uma vez suspensa.

Mas o ex-presidente já está exercendo a função, ainda que de maneira informal, desde a manhã desta segunda-feira e já está providenciando uma articulação política junto ao Palácio do Planalto, lembrando que esta é uma função de quem é Ministro da Casa Civil.

Luiz Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, está responsável pelo pedido de defesa do ex-presidente, onde tenta anular a decisão do ministro Gilmar Mendes que devolveu Lula para ser investigado pelo juiz Sérgio Moro.

Publicidade

Este pedido na verdade chegou às mãos de Ricardo Lewandowski, presidente do STF, porém foi repassado a Fachin, entretanto ninguém espera que a decisão de Gilmar Mendes seja questionada, uma vez que dificilmente um ministro tenta derrubar a decisão de um colega.

A defesa de Lula está preocupada que Sérgio Moro possa deflagrar uma nova ação contra o ex-presidente e desta vez com resultados ainda mais drásticos para Lula, que poderia até mesmo ter um pedido de prisão provisória decretado. #Dilma Rousseff #Impeachment