O clima está tenso e insuportável para todos os políticos aliados da presidente Dilma Rousseff  e  para Ciro Gomes, pré-candidato a presidência pelo PDT e também ex-ministro do #Governo Dilma, essa afirmativa não é diferente. Ele teve uma discussão calorosa com manifestantes contrários ao governo na madrugada dessa quinta-feira (17).

O ataque de fúria foi registrado em vídeo pelos próprios manifestantes que bateram boca com Ciro Gomes. Na filmagem, Ciro aparece em companhia do irmão, o ex-governador do Ceará, Cid Gomes. Ciro chama os manifestantes de “fascistas” e aos gritos diz: “para a casa! Estudar história”. Ciro tem a fisionomia visivelmente descontrolada e o irmão tenta acalmá-lo, mas sem obter sucesso.

Publicidade
Publicidade

A acusação mais grave de Ciro, para a surpresa de todos, foi contra o ex-presidente Lula, ele aos berros exclamou: #Lula não é inocente de nada! O Lula não é nada! O Lula é um merda!”.

Confira o vídeo na íntegra do ataque de fúria de Ciro Gomes

O xingamento a Lula aconteceu após o questionamento de um dos manifestantes a Ciro: Onde nos livros de História, Lula é inocente?

Mesmo o julgando como “um merda”, Ciro, ao final, tenta defender Lula e afirma que ele tem direito de se defender na justiça, pois está respondendo um processo legal.

Ao que parece, Ciro Gomes não suportou a ideia de pessoas contrárias ao governo se manifestarem àquela hora da madrugada, em frente ao prédio ao qual reside.

O fato de ele ter mandado os manifestantes “estudarem história”, provavelmente seria por causa do período em que o Brasil esteve sobre o domínio da ditadura militar e sobre a falta de liberdade de expressão, neste período.

Publicidade

Em nota divulgada à imprensa e no site do jornal estadão, Ciro defende seu temperamento explosivo, alegando que qualquer cidadão teria a mesma atitude, e que agiu daquela forma, pois visava defender o irmão que estava sendo importunado pelos manifestantes.

Ao final da nota, ele afirma que o termo fascismo significa toda e qualquer #Violência, abuso ou cerceamento de liberdade de um grupo de pessoas a um cidadão.