O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, em Brasília, votou no início da madrugada desta quarta-feira (2) que o deputado #Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será investigado pelo colegiado que formam o conselho.

O Partido Rede Sustentabilidade e o PSOL entraram com representação no Conselho de Ética da casa contra o parlamentar pedindo o seu afastamento de presidência e a instauração de processo por quebra de decoro parlamentar e ausência de ética, atitudes que infringem o regimento interno que os deputados precisam seguir em seus mandatos.

A missão do Conselho de Ética é apurar a quebra de decoro parlamentar de Cunha por supostamente ter mentindo em audiência ao afirmar que não possui contas bancárias no exterior.

Publicidade
Publicidade

E o resultado desta investigação pode custar o mandato do político com a cassação.

Em depoimento a CPI da Petrobras ocorrida em 2015, o então Presidente da Câmara declarou que não fazia movimentações fora do país, apesar de existir indícios desta prática após a investigação da #Lava Jato detectar que o deputado recebeu dinheiro suspeito que saíram dos cofres da Petrobrás, segundo o que foi declarado pelos responsáveis pela operação.

MANOBRAS

O Conselho de Ética tentava instalar o processo de quebra de decoro contra Eduardo Cunha há mais de quatro meses sem sucesso. Como presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha articulava com o apoio de aliados inúmeras ações para adiar a instauração de processo contra ele.

Em algumas oportunidades, ele usava o regimento interno da casa para travar a reunião da comissão, e em outros casos marcava votações importantes no mesmo horário em que os deputados precisavam estar no plenário e, com isso, esvaziando o quórum do conselho.

Publicidade

 

DEFESA

Após ser investigado e instaurando um processo de cassação de mandato, Eduardo Cunha terá prazo para apresentar defesa.

SUPREMO NA PAUTA 

E nesta quarta-feira, 0, a situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, poderá se agravar ainda mais. 

O Supremo Tribunal Federal vai julgar os pedidos do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para que se investigue Eduardo Cunha por supostas movimentações financeiras fora do país e o também provável recebimento de dinheiro como propinas oriundas das Petrobras e outros negócios com empresas investigadas em bancos suíços e europeus.

Se julgar o avanço do inquérito, Cunha será investigado na condição de réu. #Congresso Nacional