O ministro da Justiça José Eduardo Cardozo comunicou à presidente Dilma Rousseff a sua saída do cargo nesta semana. Depois de tantas idas e vindas, Cardozo decidiu pela sua saída. Ambos já tinham inclusive conversado sobre o assunto e durante os próximos dias, ele deixará o cargo. Apesar da presidente tentar convencê-lo do contrário, a decisão é irrevogável. O fututo ex-ministro já negocia ocupar outro cargo dentro do #Governo, sendo cotado para a Advocacia Geral da União (AGU).

Os motivos alegados pelos interlocutores do Palácio do Planalto estão ligados diretamente ao partido da presidente. A saída de um aliado de Dilma, neste momento, agrava a delicada situação em que se a mesma atravessa, tanto em relação à legitimidade de seu mandato, quanto ao seu crescente distanciamento de sua base política, que a manteve no poder até o momento.

Publicidade
Publicidade

A insatisfação de Cardozo e a pressão do PT para barrar a Lava Jato

Não resta a menor dúvida que a saída de Cardozo foi motivada pela pressões excessivas do #PT sobre a pasta da Justiça. O ministério, na visão do partido, não estaria agindo a tempo de evitar que a #Lava Jato pudesse alcançar Lula. Na verdade, o PT esperava que Cardozo pudesse achar algum argumento que fizesse a operação, liderada por Sérgio Moro, ser suspensa. Nos últimos dias, as pressões se intensificaram não só pelos companheiros de Lula. Outros partidos do Congresso e alguns setores empresariais intensificaram o 'bombardeio' político sobre o ministro. O fato só serve para reforçar as suspeitas que o trabalho de Moro deve estar incomodando muita gente.

O titular da pasta demonstrou a sua insatisfação com a falta da valorização de sua figura como ministro da Justiça e isto se refletiu na decisão de deixar o cargo. 

Cardozo deixa o ministério num momento difícil para Dilma Rousseff.

Publicidade

Enquanto a presidente tem o mandato ameaçado com as denúncias que podem colocar em xeque o processo eleitoral durante sua campanha política, fato que tomou proporções mais preocupantes com a prisão do marqueteiro do PT João Santana.

Os próximos dias prometem ser bastante conturbados, pois a Lava Jato deverá promover buscas e apreensões em imóveis que possuem ligação com o ex-presidente Lula. Somado a isto, temos o fato de que o próprio PT prossegue num contínuo afastamento de Dilma, que começa a ficar isolada da própria cúpula do partido.