O embargo econômico norte-americano imposto sobre Cuba desde a década de 1960, durante o conflito entre o mundo capitalista e o socialista, deixou suas sequelas. Com a aproximação entre as nações, o clima de guerra esmoreceu, mas os cubanos ainda se ressentem do prejuízo que sofreram durante todos estes anos. Nesta semana, Barack Obama, o presidente dos Estados Unidos e líder da maior potência ocidental, fará uma visita histórica ao país vizinho.

A intenção do #Governo cubano é deixar claro que - apesar de os norte-americanos terem acenado com um gesto de boa vontade ao diminuir as sanções diante das políticas externas com Cuba - há muito assunto ainda a ser discutido para que as duas nações fiquem plenamente satisfeitas.

Publicidade
Publicidade

A economia do país caribenho, segundo análises de especialistas, demorará décadas para se recuperar das sanções impostas pelas #EUA, durante a ditadura de Fidel Castro.

De acordo com Bruno Rodríguez, ministro do exterior de Cuba, como forma de acenar com um gesto de que Cuba está aberta ao diálogo, medidas serão tomadas para demonstrar que o país está pronto para se enquadrar aos novos padrões mundiais. “Nos próximos dias vamos tentar fazer transferências em dólares com entidades bancárias em outros países e nos EUA para verificar se essas transações podem ser realizadas”, afirmou Rodríguez, em coletiva de imprensa, realizada nesta quinta-feira, dia 17 de março.

O ministro explicou a medida reiterando a importância de que “os bancos precisam entender se essa medida significa que no futuro próximo essa perseguição financeira contra Cuba vai terminar”, pontuou.

Publicidade

Nesta semana, os Estados Unidos deram outro grande passo para a reaproximação com Cuba, ao diminuir a burocracia referentes aos trâmites comerciais, especialmente na transferência bancária com valores em dólares, e também quanto ao turismo na ilha.

Daqui a três dias, Barack Obama será o primeiro presidente dos Estados Unidos a desembarcar em território cubano em 80 anos. O último mandatário a realizar a viagem ao país caribenho foi Calvin Coolidge, no longínquo ano de 1928. Obama e Raúl Castro - irmão e sucessor de Fidel - resolveram começar a dar um basta no entrave entre as nações em dezembro de 2014. Enquanto boa parte do eleitorado republicano norte-americano não vê com bons olhos a reaproximação, os imigrantes clamam por direitos iguais nesta nova fase diplomática. #História