O Instituto de Pesquisas Datafolha divulgou nesta segunda-feira, dia 29 de fevereiro, o resultado de uma pesquisa no qual aponta que 76% dos eleitores entrevistados desejam a saída de Eduardo Cunha (PMDB - Rio de Janeiro) da presidência da Câmara dos Deputados.

O estudo evidenciou também um crescimento de 11% de rejeição ao Deputado Federal em comparação com a pesquisa anterior, feita há dois meses (em dezembro de 2015), na qual 65% dos entrevistados “pediam a cabeça” de Cunha. Ainda segundo a nova pesquisa divulgada pelo Datafolha, somente 12% dos eleitores entrevistados defendem a permanência de #Eduardo Cunha à frente do Congresso Nacional.

Publicidade
Publicidade

Em contrapartida, se a rejeição à Cunha aumentou de dois meses para cá, o mesmo não aconteceu em relação à avaliação do público sobre a Câmara dos Deputados. De acordo com o Datafolha, a rejeição ao Congresso caiu 5% em comparação com a pesquisa feita em dezembro passado. Agora, com o novo resultado, 48% dos eleitores ouvidos criticam a Casa, há dois meses estes eram 53%.

O Instituto informou que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais (para mais ou para menos). Ainda segundo o Datafolha, aproximadamente 3 mil pessoas foram ouvidas, todas com idade acima dos 16 anos, em 170 municípios brasileiros.

Queda de Cunha

Para o cientista político Jorge Gomes, a rejeição a Eduardo Cunha deve aumentar ainda mais nos próximos meses e a saída do deputado da presidência da Câmara é uma questão de tempo.

Publicidade

“A cada novo avanço das investigações, fica cada vez mais evidente a participação do Deputado Federal Eduardo Cunha no sistema de #Corrupção batizado como ‘Petrolão’. E isso tudo está sendo divulgado pela mídia praticamente todos os dias, desde o final do ano passado. Ou seja, a imagem de Cunha está sendo deteriorada a cada nova comprovação do seu envolvimento com corrupção, o que faz com que a rejeição ao mesmo cresça. E vai crescer ainda mais, pois novas falcatruas devem vir à tona nos próximos meses.”, garante Gomes.

“A saída de Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados é uma questão de tempo. Já está claro que o mesmo recebeu pagamento de um lobista, valor correspondente à quantia de 1,3 milhão de francos suíços (equivalente a mais de cinco milhões de reais), no caso do ‘Petrolão’ da Petrobras, em uma conta secreta aberta na Suíça no nome do deputado. Ele vai ‘negar até a morte’, mas está tudo cada vez mais evidente para os investigadores. Se ele não renunciar, será cassado.

Publicidade

Não haverá saída.”, conclui o cientista político.

Eleitores apoiam cassação de Cunha

Para Augusto José de Santana, 56 anos, comerciante que atua de forma autônoma há mais de 30 anos em Salvador, se o Deputado Federal Eduardo Cunha se mantiver irredutível quanto a sua renúncia do cargo de presidente da Câmara, deve, então, ser cassado.

“Já está provado que ele está metido em ‘porcaria’, não é verdade? Todo dia dá na televisão alguma coisa errada que ele fez. Então, tem que sair mesmo. Chega desses caras corruptos na política. O povo já não aguenta mais ser explorado e roubado. Se ele não quiser sair a polícia tem que tirar, na força mesmo. Roubou tem que ir é pra cadeia, não ficar em presidência.”, afirma Augusto.

Para Letícia Santos Damasceno, 48 anos, dona de casa, se for comprovado o envolvimento de Cunha em sistemas de corrupção, o mesmo deve sim ser cassado, caso não aceite renunciar.

“É obvio que ele vai querer ficar, né? Mas se ficar provado que ele participou do esquema lá, tem que ser cassado mesmo. Não entendo bem de política, mas não precisa entender muito para saber que, se roubou, tem que pagar por isso. Quando o pobre rouba não vai pra cadeia? Então porque quando o político rouba não acontece nada? Tem que cassar e tem que prender!”, opina Letícia. #Impeachment