Delcídio do Amaral, o anti-herói mais elogiado no momento continua gerando o ódio dos corruptos do país. Chamado de canalha por Jaques Wagner em uma conversa com #Lula, divulgada pela Polícia Federal, Delcídio complicou mais um pouco a vida do ex-presidente.

Em entrevista exclusiva à revista ‘Veja’. Delcídio acusa Lula de desviar dinheiro da Petrobras para financiar as campanhas milionárias do PT. Amaral entrega mais ainda o ex-presidente, dizendo que foi o próprio Lula quem ‘negociou’ diretamente com todas as bancadas quem seria indicado para a diretoria da estatal.

Após declarar à ‘Folha de S. Paulo’ que é um ‘profeta do caos’, Delcídio afirmou que Dilma sabia do esquema de corrupção na Petrobras o tempo todo, participando do mesmo.

Publicidade
Publicidade

A revelação

Delcídio contou que Dilma e Cardozo iriam blindar Lula contra as investigações e que a presidente deveria agir como uma rígida defensora do fim da corrupção, a fim de que ao término das investigações, as pessoas a aclamassem como a representante política que mais lutou contra a corrupção no Brasil conforme ela mesma já falou em diversas entrevistas e discursos.

A prisão

Delcídio do Amaral foi preso em dezembro acusado de atrapalhar o serviço da justiça, pois estava ajudando na fuga de Nestor Cerveró. Delcídio assinou o acordo de delação premiada e a mesma foi homologada pelo STF. Cerveró também fez revelações que deixaram os petistas revoltados.

Por crime de responsabilidade, Dilma pode sofrer o impeachment e a votação do mesmo pode acontecer já no dia 14 de abril. Durante o julgamento a presidente pode ficar afastada do cargo por até 180 dias, prazo para que haja uma decisão sobre o impeachment.

Publicidade

Repercussão

Logo após parte da delação de Delcídio vazar para a revista 'Isto É', Dilma e Lula tornaram-se foco da mídia nacional e internacional e a oposição decidiu barrar todas as votações até que a comissão do impeachment fosse definida. Na última semana foram escolhidos os membros da comissão do impeachment e as primeiras votações devem ocorrer dentro de três semanas. #Dilma Rousseff #Lava Jato